Para além das causas genéticas e hormonais, as mais comuns, existem outras situações ou condições que podem provocar alopécia: problemas autoimunes, stress, hipotiroidismo, deficiências nutricionais, tratamentos médicos como a quimioterapia ou a radioterapia e tratamentos farmacológicos como os antidepressivos.

Assim, se começou a tomar um tratamento antidepressivo nos últimos meses, esta pode ser uma das razões pelas quais está a ver mais cabelo na sua escova do que o habitual.

O cabelo pode cair devido à toma de antidepressivos?

A resposta é sim. O tipo de queda de cabelo que é normalmente causado pelos antidepressivos é a alopécia difusa. Está normalmente relacionada com os antidepressivos prescritos para estabilizar o humor, mas é menos frequente nos tratamentos com inibidores da recaptação da serotonina (SSRI), como a fluoxetina, a sertralina, a paroxetina ou o escitalopram. É também muito raro que os tricíclicos, as benzodiazepinas ou os antipsicóticos desencadeiem queda de cabelo. É preciso ter em conta que, uma vez retirada a medicação, a queda de cabelo para.

De qualquer modo, a queda de cabelo provocada pelos antidepressivos tem geralmente pouca importância estética. De facto, a queda de cabelo tem geralmente mais a ver com o próprio estado depressivo.

Qual é a relação entre a alopécia e os antidepressivos?

Na maioria dos casos, a queda de cabelo devida à medicação com antidepressivos começa geralmente na primeira ou segunda semana da sua administração. Os efeitos da alopécia induzida por medicamentos atingem normalmente o seu pico três meses após o início da toma de um determinado medicamento. Isto deve-se normalmente ao facto de o ciclo normal de crescimento do cabelo ser acelerado. A fase anagénica é a fase em que o cabelo cresce.

Na fase catagénica, o cabelo passa da fase anagénica para assinalar o fim do crescimento do cabelo. A fase telogénica é a fase de repouso do crescimento do cabelo. Nesta fase, o folículo piloso está completamente inativo. Os antidepressivos podem afetar a fase telógena e encurtar a sua duração, o que pode dar início à libertação imediata da fase telógena, levando a uma queda de cabelo significativa.

Embora a queda de cabelo causada pelo uso de antidepressivos seja rara, é um efeito secundário possível da maioria dos antidepressivos. Alguns estudos sugerem que a bupropiona (também conhecida como clorbutilcetoanfetamina ou amfebutamona) tem o risco relativo mais elevado em comparação com os inibidores seletivos da recaptação da serotonina.

Como é que se pode evitar a queda de cabelo causada por antidepressivos?

Se a queda de cabelo devida à medicação estiver a causar uma alteração significativa no bem-estar do doente ou a afetar negativamente a sua saúde mental, é aconselhável consultar um especialista para encontrar uma alternativa.

Se a qualidade do cabelo não melhorar ou se for difícil recuperar o estado anterior, podemos considerar estas ações:

1. Cuide da sua alimentação

As dietas desequilibradas ou com carências nutricionais podem provocar a queda de cabelo. Por isso, é importante manter uma alimentação completa e saudável. Vários estudos sugerem que as carências de vitaminas B12 e D, biotina, riboflavina, ferro e outros nutrientes estão associadas à queda de cabelo. Uma dieta rica nestas vitaminas e minerais pode ajudar a promover o crescimento do cabelo.

2. Realização de massagens ao couro cabeludo

A massagem do couro cabeludo estimula a circulação sanguínea. Ao utilizar produtos específicos nas nossas rotinas de cuidados, ajudamos a nutrir o couro cabeludo e a melhorar a circulação sanguínea, duas chaves para uma boa saúde capilar.

Reservar algum tempo para massajar o couro cabeludo todos os dias pode também ajudá-lo a abrandar e a aliviar o stress e a tensão, um bónus adicional se estas emoções forem a causa da queda de cabelo.

3. Tratamentos farmacológicos

Medicamentos como o Minoxidil podem ajudar a prevenir a queda do cabelo e a estimular o seu crescimento. A sua ação encurta a fase de repouso do crescimento do cabelo e estimula e prolonga a sua fase de crescimento. É essencial consultar um especialista antes de iniciar o tratamento com Minoxidil, para saber qual a dose a aplicar e quantas vezes por dia.

4. Plasma rico em plaquetas (PRP)

O Plasma Rico em Plaquetas (PRP) é um tratamento que utiliza fatores de crescimento obtidos a partir de plaquetas do sangue do próprio paciente. É um tratamento capilar que estimula a circulação sanguínea nas unidades foliculares, o que é um impulsionador do crescimento do cabelo.

A Mesoterapia MesoHair é um tratamento de bioestimulação e nutrição capilar que consiste na administração subcutânea biologicamente ativa de células da unidade folicular. NoGrupo Insparya usamos uma solução exclusiva que contém:

  • Vitaminas, proteínas e sais minerais responsáveis pela produção capilar.
  • Fatores de crescimento estimuladores da unidade folicular para produzir cabelo mais forte e mais resistente.
  • Fatores antioxidantes, redutores do stress oxidativo e desacelerador do envelhecimento folicular.
  • Inibidores de 5-alfa-redutase (fatores anti--androgénicos),que bloqueiam localmente a ação prejudicial da testosterona na produção capilar, impedindo a sua transformação em Dihidrotestosterona (DHT). Ajudam a parar a alopecia androgénica.
  • Ácido hialurónico que integra a fibra capilar produzida, hidrata-a e torna-a resistente à quebra e ao desprendimento. Sem efeitos secundários ou contraindicações, sendo por isso um tratamento preventivo seguro e eficaz para alopecia.

Este tipo de queda de cabelo, causada por antidepressivos não é permanente. Normalmente, as pessoas recuperam completamente o seu cabelo sem qualquer ajuda externa em cerca de seis meses após a interrupção da medicação.

E se tiver de continuar a tomar a medicação?

Se tivermos de continuar a tomar a medicação, existem algumas opções interessantes que podem ajudar na queda de cabelo causada pelos antidepressivos:

  • Uma delas seria reduzir a dosagem, o que poderia ser suficiente para que o cabelo voltasse a crescer.
  • Outra opção poderia ser mudar para uma marca diferente ou para uma versão genérica do medicamento, uma vez que pode ser um ingrediente inativo e não o próprio medicamento que está a causar a queda de cabelo.
  • Se nenhuma destas opções ajudar, e se sentir que não consegue mesmo viver com a queda de cabelo, existe a opção de consultar um especialista. Este avaliará o tipo de alopécia de que sofre, o grau em que a afeta e a solução mais adequada.

Se notou alterações no seu cabelo e pensa que o seu tratamento com antidepressivos pode ser a causa, contacte já a Insparya. Os nossos médicos especialistas, peritos no tratamento e diagnóstico da saúde capilar, aconselhá-lo-ão gratuitamente e ajudá-lo-ão a encontrar a solução mais adequada. Para além disso, oferecemos tratamentos que o ajudarão a melhorar a qualidade do seu cabelo, como a mesoterapia capilar, o Plasma Rico em Plaquetas (PRP) e a Terapia Laser Baixa. Individualmente ou em combinação, estes tratamentos irão nutrir e revitalizar o seu cabelo, ajudando a restaurar o seu aspeto saudável.

Um artigo do médico Carlos Portinha, diretor clínico do Grupo Insparya.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.