Desde novembro de 2019 envolvidos num braço de ferro com os donos da cervejaria depois de, casualmente, se terem apercebido, e evitado o encerramento compulsivo da cervejaria, os 33 funcionários daquela empresa de restauração do Porto estão também a sofrer os efeitos do surto do novo coronavírus.

Enclausurados numa questão jurídica que impede, devido às dívidas ao Estado acumuladas pela administração, a Cervejaria Galiza de "concorrer a linhas de crédito e de ir para o lay-off", como disse hoje à Lusa António Ferreira, resta aos trabalhadores "pedir a carta para o Fundo de Desemprego", situação que "continuam a recusar, preferindo manter os postos de trabalho".

Estado de Emergência: as principais medidas do governo para travar o COVID-19
Estado de Emergência: as principais medidas do governo para travar o COVID-19
Ver artigo

Enquanto esperam que a administração avance com o "pedido de insolvência controlada" e já depois de terem de lidar com as implicações do surto que "reduziu a faturação média diária de 3.500 euros para os 500 euros" os trabalhadores mostraram resiliência perante a nova legislação agregada à declaração de estado de emergência do Presidente da República no início da semana.

Segundo aquele funcionário, que com mais dois colegas assumiu em novembro a gestão daquele espaço comercial, a solução, agora, "passa por transformar a cervejaria num take away", figurando desde quinta-feira essa informação nos vidros do estabelecimento.

"Sob o olhar da polícia que está a controlar a atividade e a quem já provámos que não estamos a servir refeições no interior", relatou à Lusa o funcionário, a nova medida "parece querer começar a pegar" criando-se, assim, o cenário de "garantir, pelo menos, o pagamento dos salários".

O dia de hoje, na nova versão de negócio, trouxe uma "encomenda inédita" e que "começou por gerar desconfiança a quem atendeu o telemóvel" já que do outro lado da linha "chegou um pedido de 20 francesinhas" para uma empresa.

A funcionar em ‘take away', há um problema que a cervejaria mantém, que "é o não acesso à rede multibanco para receber pagamentos", o que obriga ao pagamento em dinheiro a todos os que lá se dirijam, lamentou António Ferreira, o que obriga a uma recomendação "sempre explicada a cada encomenda recebida pelo telefone".

À Lusa, António Ferreira não escondeu a "ansiedade de todos os trabalhadores" que continuam "sem informação de que a administração tenha avançado com a declaração de insolvência", que devia ter sido feita "até 16 de março".

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou hoje o número de casos confirmados de infeção para 1.020, mais 235 do que na quinta-feira.

O número de mortos no país subiu para seis.

Dos casos confirmados, 894 estão a recuperar em casa e 126 estão internados, 26 dos quais em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI).

O boletim divulgado pela DGS assinalava 7.732 casos suspeitos até quinta-feira, dos quais 850 aguardavam resultado laboratorial.

Das pessoas infetadas em Portugal, cinco recuperaram.

De acordo com o boletim, há 9.008 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde.

Acompanhe ao minuto os efeitos do COVID-19 no país e no mundo

Os vírus e os coronavírus: quais as diferenças?

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.