Mais do que serem figuras públicas, a malograda atriz Elizabeth Taylor, a cantora e compositora Pink ou o ator Jude Law têm em comum o facto de terem dado novas oportunidades a relações que, à partida, pareciam mortas. A antiga diva do cinema casou-se com Richard Burton em 1964, numa relação tempestuosa que fez correr muita tinta e que durou até 1974. Um ano depois, o casal voltou a casar, divorciando-se definitivamente meses depois, mas mantendo a amizade até à morte do ator britânico.

Jude Law e a também atriz Sienna Miller estiveram juntos entre 2003 e 2006. As traições do ator ditaram a separação. Depois, reataram em 2009, tendo dado esse capítulo por encerrado, em 2011. Pink é, até à data, a única dos três cuja relação se mantém. Depois de casar com o piloto norte-americano Carey Hart em 2006 e de se separar dois anos mais tarde, a artista voltou a juntar-se com o ex-marido em 2010 e, desde então, o casal permanece junto e já teve dois filhos.

O amor é difícil. Da razão à loucura, os enigmas do afeto explicados por uma psicanalista
O amor é difícil. Da razão à loucura, os enigmas do afeto explicados por uma psicanalista
Ver artigo

Elizabeth Taylor, Jude Law e Pink viveram em público o que milhares de pessoas vivem, todos os dias, em privado. E, como tudo o que envolve relações humanas, também nas histórias de recomeços amorosos, é difícil estabelecer padrões. É mais frequente regressar para o/a ex quando a relação inicial foi duradoura? A idade conta? Os filhos mudam alguma coisa? Catarina Lucas, psicóloga e terapeuta familiar, põe a tónica no nível de compromisso e na existência de filhos, como base para a tentativa de fazer renascer e, depois, vingar a relação. "Há sempre uma série de variáveis", começa por sublinhar a especialista.

"Mas, efetivamente, quando se trata de uma relação duradoura e sobretudo quando há filhos e bens envolvidos, há sempre um peso acrescido. Há muitas relações que são novamente reatadas exatamente por causa destes fatores", frisa. Contudo, a vontade de permanecer junto em nome da família, não é fator suficiente para garantir o sucesso deste novo capítulo. "Por vezes sentimos que estamos a fazer um trabalho inglório, porque já não existe um elo de ligação. Não existe a vontade", refere.

"Em última instância, podemos dizer que não existe amor, que é o que sustenta as relações a longo prazo. Sentimos que estamos a construir um castelo com paredes e telhado, mas sem estrutura", afirma a terapeuta, que sublinha que o sucesso ou insucesso desta nova/velha relação vai depender em muito dos motivos que deram origem à rutura. "As traições são das coisas mais difíceis de ultrapassar", garante a especialista. A principal culpada do êxito, nesses casos, chama-se memória.

Os prós e os contras destes relacionamentos

A cada recomeço, há a tendência para considerar que é uma nova relação. Mas Catarina Lucas discorda. "Embora seja isso que se vai vendendo, temos memória, emoções e o que aconteceu no passado pode ser perdoado, mas nunca é algo novo. Já conhecemos a pessoa, os seus defeitos e qualidades", afirma. O que não impede que se tente reconstruir algo, de forma diferente, tendo em conta a informação que vem de trás. Recomeçar um relacionamento amoroso também tem vantagens.

A previsibilidade e a segurança são duas delas. "Já conhecemos a outra pessoa, o que nos dá alguma previsibilidade. E nós gostamos disso. É é algo que transmite uma certa segurança. Como a outra pessoa também já nos conhece, podemos ser mais autênticos", defende a psicóloga. De acordo com a terapeuta, há até quem encontre outro ponto positivo no facto de já haver um conhecimento mútuo. Evita todo o trabalho de descoberta e de sedução dos primeiros passos.

Uma coisa é certa, começar de novo implica esforço e trabalho e a realidade é que nem sempre estamos dispostos a refazer e reviver tudo. "Uma coisa é o compromisso, outra coisa é o que acontece na prática porque, enquanto pessoas, temos de fazer um esforço enorme para não cair nos mesmos erros", alerta Catarina Lucas. As desvantagens agravam-se nos casos em que o casal viveu acontecimentos traumáticos, como uma traição, um aborto ou até mesmo situações de agressão.

"Voltar para alguém que nos traiu, se encaramos a relação numa ótica de exclusividade, é uma desvantagem no sentido em que é muito difícil reconstruir a confiança", considera. "É um dos grandes dilemas na terapia de casal", garante Catarina Lucas. "Até podemos conseguir reconstruir o casal, há o compromisso, há o sentimento, mas aquela mágoa e a desconfiança estão sempre presentes", acrescenta ainda a terapeuta. E a verdade é que quem já passou por isso sabe que a realidade é essa.

A necessidade de termos segurança

O fator tempo pode ser determinante para o retomar (ou não) de um relacionamento. "O sentimento inicial é de perda e confusão mas, à medida que o tempo vai avançando, há um atenuar do sentimento de desespero. Porque é de desespero que se trata", assegura a especialista. "Às vezes, passados dois ou três meses, as coisas já não são bem assim", sublinha Catarina Lucas. À medida que os meses vão passando, o nosso cérebro tende a ocultar as coisas menos felizes.

O segredo dos casais felizes. O que fazer para vencer as dificuldades que ameaçam os relacionamentos
O segredo dos casais felizes. O que fazer para vencer as dificuldades que ameaçam os relacionamentos
Ver artigo

"Com o tempo, muitas vezes, instala-se a consciência de que algo que já não estava bem ou que existiam uma série de características no outro de que a pessoa já não gostava", insiste. "Além do mais, começamos a fazer as nossas rotinas sozinhos e a vontade de reatar a relação começa a atenuar-se", diz a psicóloga, para quem o fator tempo acaba muitas vezes por fazer diminuir a sensação de não saber viver sem a outra pessoa. É a necessidade de voltar a uma zona de conforto, a um mundo já conhecido, que está por trás de muitas relações recomeçadas. "Por vezes, não sentimos falta da pessoa, mas da rotina que vivemos com ela", afiança.

"Sentimos falta da mensagem pela manhã, da companhia ao fim da tarde ou do filme à noite", exemplifica Catarina Lucas. Nestes casos, o reatar do relacionamento tem como base a necessidade de segurança e algum comodismo, já que esta parece ser a solução mais fácil. Mesmo assim, embora a probabilidade de insucesso esteja presente, há também casos de relações felizes. Afinal, a grande questão prende-se com a memória, e não com a falta dela. "Nunca esquecemos", garante a especialista.

"Se algo já correu mal, é preciso um grande esforço para não cair nos mesmos erros, porque há uma forte probabilidade de que voltem a acontecer", defende mesmo Catarina Lucas. "Queremos acreditar que vai ser diferente, mas o problema é que, depois, não esquecemos nada", desabafa ainda a especialista. Outro dos motivos que leva ao retomar de um amor antigo pode ser uma espécie de amnésia ou, pura e simplesmente, a vontade de acreditar que tudo será diferente.

Pode ser o caso de antigos namorados de liceu ou faculdade que, passados 20 anos, decidem arriscar tudo. "Mas a razão pela qual não se avançou há 20 anos, permanece", adverte. "Por exemplo, se foi o ciúme que impediu o avançar da relação e se este se mantiver, não vai fazer que seja a vontade de arriscar que prediga o sucesso deste recomeço", alerta a psicóloga Catarina Lucas. "As pessoas têm de comunicar. Foi quando deixámos de o fazer que nos separámos", recorda Pink.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.