Porque escolheu estas temáticas tão sensíveis para abordar num livro?

 

Por que trabalhando na área da saúde e do desenvolvimento pessoal como psicóloga e especialista nas adições (dependências) percebi que a ignorância ou a fantasia em torno das drogas era grande o suficiente para a dependência instalar-se e que a informação e educação foi crucial no tratamento das drogas e prevenção da dependência. Tratar a dependência é como um tiro no escuro porque alguns conseguem vencer (recuperar-se), outros não conseguem levando até a morte. Por isso, resolvi dedicar-me a trazer a realidade destas temáticas ao público em geral com a intenção de partilhar os meus conhecimentos técnicos e experiência profissional apelando à responsabilidade de todos nós em fazer prevenção e ter uma sociedade mais saudável.

 

 

Qual para si é a importância do livro para os adolescentes?

 

Na era da informação, acho crucial poder informar com clareza, objetividade e veracidade sobre estas temáticas das drogas que estão acessíveis de forma tão agressiva principalmente para os jovens na fase da descoberta e desafios como a adolescência. A leitura deste livro tem como objetivo dar aos jovens conhecimentos para os prós e contras do uso e conhecer histórias reais que permite terem mais consciência e possibilidade de escolha como aprender a dizer não. 

 

 

Acredita que o conhecimento nesta idade pode afastá-los dos perigos que menciona no livro?

 

Quando eu criei o projeto “Dizer não” às drogas, que culminou neste livro, estivemos com cerca 2.631 jovens do 3º ciclo de escolaridade (12 aos 16 anos), professores e pais, onde notámos esta grande necessidade do saber para poder agir. Muitos jovens vinham-nos procurar para pedir ajuda ou contar algo que lhes preocupava e isto é um medidor da diferença que pode fazer o conhecimento. Nos resultados do follow-up que fazíamos após 6 meses o feedback também era muito importante, onde notávamos mudanças de comportamentos e pensamentos perante estas temáticas.

 

Acredito que fará alguma diferença no olhar do jovem em relação à “fantasia” vendida das drogas e que isto irá contribuir para um afastamento, mas que deverá ser reforçado em casa, na escola e outros meios de comunicação. Vejamos o caso do tabaco, o impacto que teve e tem nos jovens que “pregam” sobre os malefícios dos mesmos, mesmo tendo fumantes à sua volta. Portanto com as outras drogas também é possível se houver comprometimento de todos e se derem o seu contributo como este livro, que é para todos pois este tipo de informações são escassas para todas as camadas da sociedade. Prevenção deverá ser contínua e transversal a todos!

 

No caso dos adolescentes: acredita mais no poder da informação ou acha que a má influência dos amigos acaba por se sobrepor?

 

A informação que eu menciono tem por trás a educação, ou seja, falar da importância dos grupos e ditos “amigos” que têm grande influência nesta fase. Para além da informação técnica e científica, o efeito de outras perguntas do livro é justamente refletir sobre alguns conceitos e dar mais capacidade aos jovens de escolher sem medo de perder a amizade e seguir com mais poder de dizer não quando for preciso. Os jovens têm a consciência do poder dos amigos, mas por outro lado também tem a consciência de que alguns comportamentos e condições para pertencer ao grupo não são as melhores para eles. Estes precisam de apoio para sentirem mais seguros e verem que têm outras alternativas, por isso a influência dos pais e outros intervenientes são cruciais para ajudar estes jovens. Esta influência vai depender de quem estiver mais perto e poder convencer naquilo que o jovem está a procura

Para si qual o distúrbio mais grave nos adolescentes: álcool, droga ou tabaco?

 

O uso e abuso do álcool, da marijuana e haxixe são as drogas mais usadas e abusadas por jovens. A influência e o poder do álcool por ser uma droga legal, aceite e incentivada socialmente permite ao jovem usá-la em grande quantidade de uma vez sem grandes constrangimentos, o que leva hoje em dia a termos jovens hospitalizados em coma alcoólico nos hospitais. Fisicamente o álcool é mais destrutivo por entrar na corrente sanguínea e afetar os órgãos causando danos graves a curto e médio prazo para além de poder tornarem-se dependentes do mesmo.

O uso e abuso da marijuana e haxixe também surge dos conceitos erradíssimos que são drogas leves ou naturais como a erva da marijuana, o que também faz com que os jovens usem e abusem causando danos emocionais, cognitivos e relacionais. A nível psicológico tem cerca de 50% de poder viciante. Temos muitos jovens entrando em centros de tratamentos para tratar o problema do haxixe e marijuana.

Estas drogas mencionadas estão diretamente relacionadas com a depressão, ansiedade, irritabilidade, falta de concentração, atenção e insucessos escolares.

Eu diria que todos são graves na gravidade individual e representativa de cada jovem que pretenda ter controlo sobre si e suas escolhas.

 

 

Quais os motivos que acha que os levam ao vício?

 

São vários na medida que somamos os motivos individuais e comuns ao ser humano. Os motivos mais mencionados e verificados são a curiosidade como o mais significativo, a experiência fantasiada, o resultado obtido e aprendido, o desafio e a necessidade de sentir prazer. Depois acrescentamos a necessidade de não sentir, de não sentir algo desagradável e de não conseguir lidar com algo mal ou bom, socorrendo assim a “anestesia” do efeito das drogas e daí já começa a instalação da dependência. Vai se perdendo capacidades e ficando mais difícil de resolver.

 

Não posso deixar de mencionar a força da publicidade, da oferta de drogas cada vez mais cedo que promove que a instalação do vício seja mais rápido e eficaz. Ou seja, temos os fatores internos e externos que deverão ser contextualizados e também ser medida de intervenção. 

 

Na sua opinião o livro é mais importante para pais ou filhos e porquê?

 

Para ambos sem dúvida somando aos professores, tios, avós, estudantes, profissionais e a população em geral. Porque este livro são perguntas feitas pelos jovens, que são comum a pais, profissionais e adultos na sua curiosidade e necessidade de aprender contendo uma linguagem clara e acessível.

  

A informação e a comunicação entre os jovens e outros adultos dá-se mais facilmente se conhecermos a sua linguagem, dificuldades e sabedorias. O livro serve como um guia de assuntos e discussões construtivas acerca do tema que levam a outros temas interessantes. É a oportunidade para o jovem aprender e refletir bem.

Os pais terão exemplos de como poder agir ou pedir ajuda se não souberem, bem como os filhos ou jovens e adultos que o lerem. Tenho muitos feedbacks de adultos que gostaram muito de ler por que não sabiam tantas coisas, achando que sabiam mais e desta forma tornaram-se mais esclarecidos.

 

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.