Sociólogos reuniram-se durante o encontro anual do American Sociological Association e revelaram as conclusões de um estudo sobre as implicações sociais de se ser filho único.
"Crescer sem irmãos não significa que uma criança tenha poucas habilidades sociais ao longo da vida" disseram os pesquisadores.
A teoria apoia-se num estudo realizado com 13 mil jovens, entre os 11 e os 18 anos, em que os filhos únicos foram eleitos como amigos de escola com a mesma frequência que outros que tinham irmãos e irmãs.
Ou seja, a popularidade dos jovens não parece ser afectada pelo facto de crescerem sozinhos, apesar de num estudo anterior da Ohio State University ter-se detectado habilidades sociais pobres em filhos únicos.
Para Donna Bobbitt-Zeher, co-autora do estudo e professora assistente de sociologia da Ohio State University, "como o tamanho das famílias nos países industrializados diminui cada vez mais, existe uma preocupação sobre o que isso pode significar para uma sociedade onde mais crianças crescem sem irmãos e irmãs".
Contudo, para já, não existem dados científicos que permitam fazer essa relação.
18 de Agosto de 2010
Veja ainda:
Imigração coloca desafios à educação
Actividades extra curriculares
Crianças criativas?
Prepare a sua casa para a curiosidade do bebé
Mamãs... Todas diferentes

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.