As alturas da Serra da Gardunha, enorme dorso rochoso, avultam no horizonte. Em breve o Portugal dos relevos mansos que nos acompanha há um par de horas, desde sul dará lugar às geografias abruptas da Beira Alta. A Gardunha não é, contudo, obstáculo. Os quilómetros de curvas que franqueiam as alturas foram substituídos por 1600 metros de estrada a prumo no âmago da serra. O horizonte confinado ao túnel abre-se, súbito, para um espanto cénico feito de natureza e de humano. Assome a desmesura da Cova da Beira, último recobro para os relevos antes do assalto à Estrela.

A montanha sobe, no inverno alcança as neves e, dias a fio, recolhe nas suas vertentes rebanhos de nuvens. Neste cenário, a Covilhã nos contrafortes das alturas, torna-se minúsculo testemunho erguido por mão humana. Apesar de nos tentar o tumulto granítico, a grande serra não passará desta vez de uma visão à distância. Apontamos caminho para Norte, ao longo da A23. O «x» marcado no mapa leva-nos a uma viagem longa, pela raia. A fronteira estará sempre a poucos passos.

Moncorvo: Na terra talhada a ferro e granito a paisagem será de flores com a primavera
Centro histórico de Torre de Moncorvo. Avulta a Igreja Matriz. créditos: @Câmara Municipal de Torre de Moncorvo

Bem contados, passada a Guarda, são cerca de cem quilómetros até Trás-os-Montes. Torre de Moncorvo, o nosso destino, está longe mesmo para os parâmetros atuais de viagem e para uma geografia de distâncias modestas como é a portuguesa. Sucede-se uma paisagem de serranias de suster a respiração. Aos poucos acomodamo-nos à contemplação; a um certo hipnotismo de viagem. A rocha impera, embora com algumas concessões. Sobre as escarpas brota, frágil, a primavera. As amendoeiras cobrem-se de delicadas flores, compondo um cenário que nos acompanha nos 18 quilómetros que medeiam entre as sedes de concelho de Foz Coa e de Torre de Moncorvo.

É numa curva apertada, sobre as alturas, que se revela o esplendor do Douro. Um rio de muitos e diversos humores serpenteando na paisagem impassível. Transpomos a barragem do Pocinho, próximo à confluência entre Douro e outro rio do Norte: o Sabor

Rio e serra. Está lançado o mote para a descoberta do concelho de Moncorvo.

“Pouca terra, pouca terra”, nas fragas do Douro ecoa o Comboio Histórico entre o Pinhão e Tua
“Pouca terra, pouca terra”, nas fragas do Douro ecoa o Comboio Histórico entre o Pinhão e Tua
Ver artigo

Primeiras impressões

Moncorvo começa a perceber-se nas curvas apertadas impostas pelos relevos próximos à serra do Reboredo. O casario, primeiro disperso, junta-se num aglomerado aconchegado nos contrafortes da serra. Há uma nota de modernidade em Torre de Moncorvo que contrasta com a paisagem intemporal. Não é, contudo, a Moncorvo da arquitetura contemporânea que nos instiga a visita. Queremos ir ao encontro de outras realidades; da terra das lendas, como a do lavrador Mendo e do seu tesouro guardado na torre.

No casario sobressaem as varandas de alpendre, pequenas janelas de guilhotina, largos beirais; um misto entre o granito e paredes alvas. O centro histórico cresce em torno da imensa Igreja Matriz.

Procuramos a Moncorvo da Igreja Matriz, templo desmesurada, o maior de Trás-os-Montes; dos labores artesanais; da amêndoa tratada com excelência; do azeite que se diz o melhor de Portugal, e, claro, da gastronomia e dos vinhos da região.

Moncorvo: Na terra talhada a ferro e granito a paisagem será de flores com a primavera
Miradouro da Fraga do Facho. créditos: @Câmara Municipal de Torre de Moncorvo

Primeiras impressões no centro histórico. Percebe-se o esforço de requalificação no casco urbano de origem medieval. Sobressai um troço da primitiva muralha do castelo mandado edificar por D. Dinis (séc. XIII-XIV). No casario sobressaem as varandas de alpendre, pequenas janelas de guilhotina, largos beirais; um misto entre o granito e paredes alvas. O centro histórico cresce em torno da Igreja Matriz (século XVI), chamada de Nossa Senhora da Assunção. O templo é austero, maciço e de linhas severas. Dentro faz frio. Percebe-se na majestade da estrutura a ambição do tempo em que Moncorvo queria ser sede de diocese.

A amêndoa

Procuramos o comércio. Percebemos que tem uma escala humana. Desperta-nos a atenção um espaço em particular, num edifício restaurado do Largo General Claudino. Na “Arte, Sabor e Douro” a pedra e a madeira dão ao ambiente um toque regional. Nas paredes expõem-se objetos de época ligados ao mundo rural, assim como gravuras. Estas trazem-nos um Moncorvo que dificilmente já encontramos. Por momentos afastamo-nos do presente. Fixa em imagens sépia está a paisagem rude, o rosto cavo das gentes, a singeleza das construções, as aldeias perdidas em recônditos. Marcas da dureza desta terra.

Moncorvo: Na terra talhada a ferro e granito a paisagem será de flores com a primavera
Paisagem próximo a Urros, localidade do concelho de Moncorvo. créditos: @Câmara Municipal de Torre de Moncorvo

Detemo-nos nos produtos da região, passando os olhos pela seleção de vinhos, pelos enchidos, pelo azeite e pelas incontornáveis amêndoas não fosse Torre de Moncorvo um dos principais produtores nacionais. Estas amêndoas, cobertas, são um monumento às artes tradicionais. Queremos saber como se fazem. Visitamos Cândida Carvalho, uma “cobrideira”.

À conversa percebemos o trabalho de paciência que é a confeção destas amêndoas. A artesã labora frente a uma enorme caldeira em cobre. Sob esta um lume espicaça o calor. Mãos ágeis, obedecendo ao ritmo de braços que se agitam sem descanso, revolvem um punhado de amêndoas. Os dedos estão protegidos com dedais para minorar a dureza da tarefa.

Numa manhã cálida, um adoçar de boca com Rebuçados da Régua
Numa manhã cálida, um adoçar de boca com Rebuçados da Régua
Ver artigo

Perguntamos a Cândida Carvalho quanto tempo leva até compor as pérolas em açúcar com um coração de amêndoa. Responde-nos: “São oito horas por dia, durante um mês”. Queremos saber mais: “primeiro é preciso descascar a amêndoa. Antes fazia-se com uma barra de ferro sobre a casca. Chamava-se a ´partidela` da amêndoa. Hoje é quase tudo mecânico. Depois, as amêndoas têm que ser peladas e torradas”.

Sabores regionais

Moncorvo faz boa mostra da doçaria regional com as Delícias, as Súplicas, os Económicos, os Biscoitos à Tia Patuleia, as cavacas. Surge, uma vez mais, a amêndoa, aqui servindo de recheio a alguns dos doces e combinando com outros ingredientes, como a chila, a canela e a noz.

O concelho também não esconde outras artes: os caretos, o ferro, as velas (com destaque para os cereeiros de Felgueiras), os tapetes e carpetes em lã de ovelha (da freguesia de Urros), as cestas de renda (de Carviçais).

Moncorvo: Na terra talhada a ferro e granito a paisagem será de flores com a primavera
O granito, um dos marcos da arquitetura do concelho transmontano. créditos: @Câmara Municipal de Torre de Moncorvo

Uma prova de resistência em torno dos doces não abate a vontade para uma refeição a pedir mesa larga. Chega um almoço que faz justiça à cozinha da região, desde as entradas até ao remate. Inaugura-se a mesa com uma alheira e um chouriço de carne assado. O prato principal fica por conta da carne de javali. Pelo meio deixa lembrança um queijo terrincho.

Mais tarde havemos de provar a Posta Mirandesa e uns peixinhos do rio fritos.

Visitamos a Oficina Vinária a funcionar num antigo lagar recuperado, bem próximo à Igreja Matriz. A epopeia dos vinhos durienses é, aqui, narrada.

Para outras visitas a Moncorvo fica, no rol dos apetites regionais, as favas guisadas com chouriço, as sopas de bacalhau, a caldeirada de cabrito, o cozido à transmontana, as linguiças, os chouriços azedos, os salpicões de cozer e de assar, os peixinhos assados e as migas de peixe. Perdoe-se a omissão, com consciência de tudo o mais que há a provar e que não coube nestas linhas.

Uma palavra ao vinho, não estivesse Moncorvo na Região Demarcada do Vinho do Porto.

Moncorvo: Na terra talhada a ferro e granito a paisagem será de flores com a primavera
Convento da Lousa. créditos: @Câmara Municipal de Torre de Moncorvo

Queremos conhecer um pouco melhor a tradição vinícola no concelho. Visitamos a Oficina Vinária a funcionar num antigo lagar recuperado, bem próximo à Igreja Matriz. A epopeia dos vinhos durienses é, aqui, narrada através dos instrumentos que fazem a sua história: as tesouras para podar as vinhas, as enxadas, o serrote para as cepas grossas, as panelas e malgas para servir o rancho, os cestos, os pulverizadores para a cura das vinhas, a máquina para pisar e esmagar uva, entre muitos outros objetos. A mostra completa-se com imagens ilustrando a atividade vinícola.

O ferro

Ainda hoje é crença, entre as populações do concelho, que a Serra do Reboredo atrai as trovoadas. Há um fundo de verdade na convicção popular. Na serra repousa um dos maiores jazigos de minério de ferro da Europa, operando como um magneto para os relâmpagos. Calcula-se que sob a superfície repousem qualquer coisa como 670 milhões de toneladas de minério.

Não se estranha, como tal, a vocação de Moncorvo para a exploração do ferro, atividade que remonta ao período romano (ou mesmo antes). Se os anos 50 do século XX assistiram ao auge da extração do ferro, a década de 80, por antítese, viu o fenómeno morrer. Fica hoje, como memória, o espólio em mostra no Museu do Ferro e da Região de Moncorvo. Um percurso que conta a história do ferro na região através de inúmeros artefactos organizados por temas: forjas, ferreiros e ferrarias; geologia e minas, impacto da Revolução Industrial em Portugal, entre outros.

Moncorvo: Na terra talhada a ferro e granito a paisagem será de flores com a primavera
Uma das memórias da economia da região, carris para transporte do ferro extraído nas minas da Serra do Reboredo.

Percebemos melhor a dureza de uma atividade feita pelas mãos de homens, mulheres e crianças, e que envolveu trabalhadores de todos os pontos do país e do estrangeiro. O transporte, em vagões pela linha do Sabor, até ao Pocinho. Dai em carruagem pela linha do Douro até ao litoral.

Para lá da sede de concelho

O passeio espraia-se para lá da sede de concelho. A direção é a típica aldeia de Felgar. A meia dúzia de quilómetros faz-se nas alturas, no planalto rente à serra do Reboredo. No céu háum tumulto de nuvens que se encosta à montanha. O cenário não desilude. Os céus azuis podem esperar. A dureza do granito conjura bem com o cinzento sólido que corre o firmamento.

Moncorvo: Na terra talhada a ferro e granito a paisagem será de flores com a primavera
Planalto de Adeganha. créditos: @Câmara Municipal de Torre de Moncorvo

À margem da estrada pastam pequenos rebanhos de ovelhas da raça Terrincha (ou Churra). Os animais correm, agitando o pelo longo. O clima, por estas bandas, pede um aconchego especial para os longos invernos. Hoje o frio não aperta e os campos onde desponta a giesta a esteva e o zimbro, não ganham o fio de gelo que, por vezes, permanece vários dias. As faias e os castanheiros, por enquanto despidos de folhagem, contrastam com algumas manchas de sobreiro de copa pesada.

A dureza do granito conjura bem com o cinzento sólido que corre o firmamento. À margem da estrada pastam pequenos rebanhos de ovelhas da raça Terrincha

Em Felgar deparamo-nos com bons exemplares da arquitetura popular. Apeamo-nos e percorremos ruas estreitas, traçadas num tempo antes do motor. Há um silêncio revelador, um sossego que, se por um lado nos agrada porque nos afasta de todos os afãs, por outro nos desperta para um dos dramas da interioridade. Este é um silêncio de despovoamento. Um concelho com mais de 500 quilómetros quadrados conta com pouco mais de 10.000 habitantes, três mil dos quais na sede de município.

Hoje, Torre de Moncorvo tem quase metade da população que contava nos anos 50 do século passado. Aqui mesmo, a freguesia de Felgar, não conta mais de 1000 habitantes. Há pior: Urros conta cerca de 300 habitantes, Castedo pouco mais de 270 e Peredo dos Castelhanos uns escassos 140.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.