A confiança é um estado acessivel a todos ou apenas alguns de nós têm acesso a niveis elevados de auto-confiança? Acredita em si ou acredita que não acredita em si?

Quando começou a acreditar que era capaz ou incapaz de ser feliz no seu relacionamento, falar em público perante uma audiência, ser bem sucedido nos negócios ou simplesmente fazer uma maratona?

Segundo estudos cientificos, uma criança até aos três anos de idade ouve aproximadamente 250 milhões de vezes a palavra NÃO. Familiares, educadores e amigos fazem questão de nos “ajudar” a perceber, com a melhor das intenções, quão limitado pode ser o nosso mundo.

A crença de que não devemos ter determinadas brincadeiras, não devemos mexer na comida com as mãos, não devemos saltar em cima da cama, não devemos expressar a nossa opinião, não devemos falar com estranhos, começa a ser criada como todas as outras crenças: sem percebermos porquê. Aceitamos e reforçamos aquilo em que acreditamos de forma inconsciente e sem questionarmos.

Lembra-se quando em criança tinha de encarar o senhor da mercearia, ou quando estava na sala de aula e sabia a resposta mas tinha medo de colocar a mão no ar, ou quando precisava de ajuda e só existiam pessoas desconhecidas à sua volta? A garganta secava, o coração batia muito forte e rapidamente se instalava um mal estar na zona do estômago.

Veja na próxima página a continuação do artigo

É curioso, pois independentemente da idade, continuo a receber e a ajudar pessoas nas sessões de coaching, a ultrapassarem estes sintomas.

A crença de que não somos capazes, reforçada através da repetição, dia após dia, durante dezenas de anos, ajuda-nos a perder momentos magnificos da nossa vida e a ganhar medos que se instalam e se espalham inconscientemente, contagiando as nossas vidas. Medo de nos relacionarmos e estarmos socialmente com outras pessoas, medo de expormos ideias em reuniões de trabalho, medo de sermos honestos com os nossos familiares ou colegas de trabalho, medo de não triunfarmos na vida. Medo de sermos rejeitados ou medo de não sermos capazes.

O medo incapacita-nos e protege-nos. O que fazer com ele?

A maior parte das pessoas escolhe preferencialmente culpabilizar os outros pelos seus medos. Pais, chefes, colegas, governo, sociedade, são os principais visados. Podemos recriar a história fácil da desresponsabilização vezes sem conta e estarmos mergulhados nela durante toda a vida. Sabe bem mas não resulta.

Se pretendermos aumentar o nosso grau de felicidade, a forma mais fácil e rápida é libertar-nos dos medos que nos aprisionam, focar-nos naquilo que queremos e aceitarmos que somos os únicos responsáveis pelos resultados na nossa vida.

Nos vários cursos e workshops sobre confiança que tenho oportunidade de ministrar, tenho a oportunidade de ajudar centenas de pessoas a converterem os seus medos em verdadeiro poder interior, desfocando as pessoas dos seus medos e concentrando-as em experienciarem verdadeiros estados de confiança.

Veja na próxima página a continuação do artigo

De que forma?

Trazendo para o consciente de cada pessoa, três coisas muito simples:

1º Descoberta do foco. Em que se foca assim que acorda? No que tem ou no que não tem? No que quer ou no que não quer? Na escassez ou na abundância? Em si ou no que os outros pensam de si? No passado, presente ou futuro? Medo ou confiança? A sua energia é direccionada para aquilo em que decide focar-se diariamente. Mudando o foco, muda o sentimento.

2º Qualidade da linguagem. Que diálogo interno tem para consigo? Que tipo de pensamentos tem? Que perguntas faz a si próprio? O que costuma dizer diariamente vezes sem conta, de forma repetida? O que verbaliza? Que padrões linguisticos utiliza? Recrimina-se ou elogia-se cada vez que algo acontece? A qualidade da sua linguagem afecta ou infecta as suas emoções.

3º Como utiliza o corpo. Ombros para trás ou para a frente, peito descaído ou direito, olhar para baixo ou para cima? Respiração ofegante ou serena? Onde reside o ponto chave de equilibrio do seu corpo? Quantas vezes recorre a esse ponto diariamente? A forma como utiliza o seu corpo determina a forma como se sente. Caro leitor, eu acredito que qualquer pessoa tem a capacidade de criar em si próprio niveis elevados ou diminutos de confiança. Basta decidir o que quer, ter as ferramentas certas e entrar em acção. Entre em acção agora e aceda a grandes niveis de confiança. Eles já estão dentro de si. Active-os.

     Mário Caetano, Life coach, palestrante inspirador e sonhador
„X Neuroestratega pela SRI Coaching (USA)
„X Coach certificado internacionalmente pela Cris Carvalho
„X Practitioner em Hipnoterapia (American Board of Hipnotherapy)
„X Practicioner em PNL (American Board of NLP)
„X Especialista em Time Line Therapy
„X Frequência do curso de Gestão de Banca e Seguros pelo IESFF
„X Ex-director regional da Holmes Place Health Clubs
„X CEO da Mário Caetano.
„X Palestrante motivacional
„X Formador transformacional
„X Colabora com dezenas de empresas e organizações na expansão dos seus resultados!

Contactos:

 www.mariocaetano.net

Coordenação de Conteúdos: Heloisa Miranda
email: sapozen@sapo.pt
Veja o programa SAPO Zen: zen.sapo.pt

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.