A pedra preciosa tem 228,31 quilates e é tão grande que ocupa quase toda a palma de uma mão.

A Christie's tinha-o avaliado como valendo entre vinte a trinta milhões de dólares e acabou por vendê-lo pouco acima da margem mínima, mas a empresa destacou que o preço obtido representa um novo recorde mundial para um diamante deste tipo, que foi o maior a ser leiloado na história através deste tipo de transação.

O comprador licitou no último momento por telefone para adicionar mais de 95.000 euros a uma oferta que parecia ser a última e que havia sido lançada por uma pessoa a partir da sala de um prestigiado hotel em Genebra, onde se realizou o leilão de joias.

Este diamante foi extraído de uma mina sul-africana no início deste século e está à venda pela segunda vez desde a sua descoberta.

Em 2006 tinha sido vendido em leilão nos Estados Unidos a um colecionador particular, que o colocou num colar Cartier, embora hoje a joia tenha sido vendida despida.

No leilão de hoje foi também vendido o diamante batizado de "Diamante da Cruz Vermelha", de 205 quilates, que superou as estimativas dos especialistas ao atingir um preço final (incluindo a comissão da casa de leilões e impostos) de 14,18 milhões francos suíços (13,5 milhões de euros).

Este diamante tem uma relação especial com a Christie's, já que esta é a terceira vez que é vendido.

A primeira vez foi há 104 anos e a mais recente em 1973, quando atingiu o preço de 1,8 milhões de dólares, que hoje praticamente foi multiplicado por oito.

Parte do dinheiro desta venda irá para o Comité Internacional da Cruz Vermelha, a maior organização humanitária que trabalha em cenários de conflitos e desastres, embora o valor não tenha sido especificado.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.