Uma carga laboral pesada aliada à pouca disponibilidade para se dedicarem às tarefas domésticas, tem levado cada vez mais portugueses a aderirem aos robots de cozinha. Mas o que muitos provavelmente não sabem é que o uso diário deste eletrodoméstico pode estar a aumentar as suas faturas de energia em até 10 euros por mês.

Pelo menos foi este o valor estimado pela Selectra -empresa especializada em tarifas de luz e gás- que fez os cálculos tendo em conta a utilização única deste utensílio para preparar as refeições principais de uma família durante o período de um mês e fez a comparação desta despesa face ao uso de uma placa normal de indução.

Um aparelho com múltiplas funções

Com a capacidade de confecionarem diversos tipos de pratos e de forma mais rápida face à maneira tradicional, os robots de cozinha têm sido um grande aliado para as famílias que não têm muito tempo para se dedicarem a esta atividade.

Isto porque, para além de aquecerem, cozerem e saltearem os alimentos, a maioria destes eletrodomésticos está ainda programado para cozinhar a vapor, moer ou picar ingredientes, podendo assim preparar desde sopas, a pratos principais ou sobremesas.

Inicialmente, quando surgiram no mercado, os preços destes utensílios eram bastante elevados e por esse motivo, inacessíveis a muitos consumidores, mas atualmente já é possível encontrar no mercado modelos mais baratos com base na sua capacidade, potência ou número de acessórios.

E isso, para além de ter um impacto no preço final do produto, consegue refletir-se também no custo da fatura mensal de eletricidade. Quer saber como? Preste atenção aos cálculos abaixo!

Custo de utilização durante um mês

Para fazer esta estimativa, a Selectra teve em conta a potência média de 1,5 kW para o robot de cozinha e 1,35 kW para a placa de indução, assim como teve por base o exemplo de uma família com uma potência de eletricidade contratada de 6,9 kVA.

Tendo isto em conta, este seria o aumento esperado na fatura da luz mensal dessa família, se tivessem utilizado os eletrodomésticos em média 1h30 ao dia (almoço e jantar):

Tabela
créditos: Selectra

O preço vai divergir consoante o tipo de tarifa que o cliente tenha contratada e se este tem opção horária ou não, mas é possível concluir que o uso do robot de cozinha tende a ser mais dispendioso que o de uma placa de indução normal. No entanto, entre todas as opções presentes, a mais rentável é a referente ao período que engloba as horas de vazio (22h-8h), e a mais cara a que pertence às horas de ponta (8h-22h).

É, contudo, importante frisar ainda que o valor final vai sempre depender da potência dos eletrodomésticos em questão, e por isso se a sua placa de indução tiver um valor de potência mais alto que um robot de cozinha típico, utilizá-la vai sair-lhe mais caro do que comparativamente a este eletrodoméstico.

Nesse sentido, deve ter atenção ao número de kilowatts no momento da compra do robot de cozinha, sabendo desde já que quanto maior for a sua potência, maior será o preço final da sua fatura de eletricidade e por isso, se não quiser que esta dispare, deve optar por um menos potente ou por utilizar este aparelho no período horário mais económico.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.