Os portugueses estão cada vez mais empreendedores, revela o barómetro anual da consultora Informa D&B publicado no início deste ano. No entanto, a taxa de sobrevivência de todos estes negócios ainda nos deixa a pensar. De acordo com o mesmo estudo que analisa o tecido empresarial português, cerca de dois terços das empresas sobrevivem ao primeiro ano de atividade, mais de metade (53%) ultrapassam o terceiro ano e 42% atingem a idade adulta (cinco anos).

De fora destes dados ficam os empreendedores em nome individual, profissionais liberais ou particulares. Englobando todos estes empreendedores estima-se que cerca de 70% desistem do seu projeto nos primeiros três anos do seu negócio. É uma dura realidade, mas que pode ser contrariada.

Ana Cristina Rosa identifica cinco erros muito significativos que são cometidos pela maioria dos empreendedores e que são a principal causa para o fracasso de qualquer negócio. Saiba o que evitar para garantir que a sua empresa seja uma daquelas que engrossa a faixa dos 30% que vingam e se transformam em casos de sucesso.

1. Não planear

Pela minha experiência de quase uma década a trabalhar e acompanhar empreendedores, o primeiro requisito que normalmente não é cumprido é o planeamento. Nos negócios, esta é uma rotina fundamental. Não basta descobrir que somos apaixonados por determinada área, criar um negócio e dar um salto de fé. Não. É importante planear todas as fases e áreas do nosso negócio. E são muitos os aspetos com os quais se deve preocupar ao fazer este planeamento.

Por exemplo, pense no quão importante é ter uma rede de segurança, ou seja, pensar naquela almofada financeira que precisamos de ter quando decidimos abrir um negócio. E essa rede pode ter várias formas. Pode ser uma reserva monetária, pode ser a decisão de manter um trabalho a tempo inteiro e investir, paralelamente, no desenvolvimento de um negócio para perceber se é rentável o suficiente para poder dedicar-se a ele por completo.

É importante, por outro lado, planear resultados e isso faz-se com a definição de objetivos. Isso implica perceber onde estamos agora e onde vamos querer estar daqui a seis meses, daqui a um ano, a cinco ou a dez anos. No fundo, é desenhar o mapa do nosso negócio, a visão que temos dele e para ele. Devemos considerar que plano ou planos de ação teremos ao nosso dispor para tornar essa visão realidade, para chegar àquele resultado que ambicionamos e planeamos.

A partir do momento em que se torna empreendedor, planear passa a ser uma das palavras de ordem na sua vida. Todas, mas todas, as ações devem estar definidas no tempo e no espaço. Por isso, não é de estranhar que todos os empreendedores de sucesso tenham uma grande aliada: a sua agenda. Na verdade, a maioria das pessoas até se lança com alguma facilidade num negócio, mas depois falha no planeamento, e nós já sabemos que “não planear o sucesso, é planear o fracasso”.

2. Não saber qual o grande diferencial

O segundo grande erro é não saber qual é o seu diferencial e cair na tentação de ser aquele empreendedor que tenta vender tudo a toda a gente. Isso, claramente, não é a forma de fazer negócios, porque quando tentamos fazê-lo, na verdade, acabamos por não estarmos a vender nada a ninguém e nem sequer estamos a fazer-nos ouvir.

Daí ser tão importante para qualquer empreendedor saber exatamente qual é que vai ser o seu diferencial, qual vai ser o seu nicho de mercado, qual é que vai ser a sua especialização. É este conhecimento e trunfo que lhe vai permitir criar autoridade, credibilidade e, posteriormente, cobrar valores mais altos uma vez que não estaremos a falar de um negócio qualquer. Teremos na mão algo único, algo que não tem comparação no mercado.

3. Não gerar valor

Muitos empreendedores acreditam que criar um negócio é fazer automaticamente vendas. Claro que os números e as vendas são o objetivo máximo do negócio. Mas também sabemos que com a quantidade de negócios que são criados diariamente, se não nos destacarmos perante o nosso público e não gerarmos valor, não haverá quem queira fazer negócios connosco. Assim sendo, é muito importante gerar valor, contar a nossa história, falar na linguagem do nosso público e criar conexão com ele. É isto que vai determinar o tipo de relação que estabelecemos com o nosso cliente e determinar também se, no momento em que decide comprar, é de nós que se vai lembrar primeiro para fechar negócio.

E podemos gerar valor de muitas formas: escrever artigos com dicas e informações, oferecer um ebook, fazer vídeos, criar uma checklist ou responder a dúvidas. Aqui a criatividade não tem limites. É importante ter em mente que gerar valor e fazer-se ouvir é, acima de tudo, promover e estreitar esta conexão com o seu cliente e ficar na sua memória.

4. Não ter mindset financeiro

Não ter um mindset financeiro é não perceber a evolução do nosso negócio. Apercebo-me, muitas vezes, que a maior parte dos empreendedores começa um negócio e nunca olha para os números. E isto é tão fundamental. Afinal, aquilo que , no final do dia, vai ditar se temos um negócio ou não, são os números. Por isso, não considerar este aspeto é assumirmos, automaticamente, uma postura de não negócio.

Há uma metáfora que ilustra bem a importância do mindset financeiro: gerir uma empresa ou gerir um negócio sem olhar para os números é a mesma coisa que conduzir um carro sem verificar o depósito de combustível. Ou seja, para sermos bom pilotos ou bons gestores, temos de saber que o nosso carro ou negócio está abastecido para alcançar o lugar que queremos. Para isso, é fundamental fazer, desde o primeiro dia e mesmo que ganhemos ainda pouco dinheiro, a caixa do nosso negócio. No fundo, perceber quanto dinheiro entra, quanto dinheiro sai, quanto dinheiro investimos, que gastos tivemos e que lucros acumulamos. E estas são contas que deve fazer todos os meses.

Devemos ter consciência dos números do nosso negócio, pois são estes que vão possibilitar-nos valorizar o nosso produto ou serviço e saber atribuir preços, ou seja, cobrar o valor merecido e devido pelo nosso negócio. Se não souber fazer isto e não tiver um mindset financeiro, o seu negócio não irá prosperar e não será, com certeza, um exemplo de sucesso.

5. Desistir

O quinto e último erro é desistir. E isto tem a ver com preparação. Ou seja, acredito que aquilo que leva a que a maioria dos empreendedores desista do seu negócio nos primeiros três anos é o facto de não estarem preparados para as adversidades e para as dificuldades que vão surgindo.

Ser empreendedor não é fácil. É um caminho desafiante. Claro que traz muitas vitórias, muitos frutos, mas é também um caminho com muitos obstáculos, com muitos espinhos. Muitas vezes, quando alguém decide abrir um negócio e decide ser empreendedor, está apenas a ver a parte positiva e esquece-se de olhar para o outro lado. Este é outro grande erro. Não ter o mindset adequado é não estar preparado para lidar com as adversidades e desistir à primeira dificuldade. Na verdade, para ter um negócio, não basta ter foco, um produto ou serviço ideal, comunicar de forma perfeita ou ter um marketing exímio. Também requer muita determinação, muita paciência e, acima de tudo, muita persistência.

Agora que já sabe o que pode impedir o sucesso de um empreendedor, reflita sobre estes cinco erros e analise a forma como está a conduzir o seu negócio. O bom dos erros é que podemos sempre corrigi-los e eliminá-los!


Saiba mais sobre Mulheres à Obra aqui.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.