Ainda são muitos os portugueses que, na hora de contraírem um empréstimo para a casa, consideram que têm de ficar até ao fim do contrato com as condições assinadas. A verdade é que não tem de ser assim. Após os dois primeiros anos, pode sempre analisar as suas condições e, inclusivamente, melhorá-las.

Por isso, se pretender reduzir os encargos com o seu crédito habitação, saiba que é possível. Para tal é preciso combater a inércia e agir. Mas também é importante saber exatamente quanto é que paga por mês, quais os produtos que tem associados, quanto paga de seguros, qual o seu spread e TAEG, bem como o tempo em falta para terminar o contrato e se tem taxa fixa ou variável.

Após dar resposta a estas questões e analisar as ofertas do mercado, pode optar por:

1. Negociar diretamente com o seu banco

Depois de analisar o seu próprio contrato e estar informado sobre o que é praticado atualmente no mercado, pode perceber junto do seu banco a possibilidade de rever as condições do seu empréstimo.

Como em qualquer outra situação, o seu poder de negociação aumenta se tiver mais do que uma proposta. Por isso, faça simulações junto de outras entidades bancárias, para perceber se, após negociar as condições com o seu banco, é este que continua a oferecer, ou não, as melhores condições para o seu caso.

Se considerar que esta é uma tarefa complexa ou que não tem tempo para a fazer, pode sempre recorrer a intermediários financeiros que têm um poder negocial superior, não cobram aos clientes por este serviço, e conhecem bem o mercado e as suas ofertas.

2. Transferir o seu crédito habitação

Se encontrou um banco que lhe oferece melhores condições do que o atual, e que resultam numa poupança mensal, então a solução pode passar pela transferência do seu crédito.

Uma vez que já existem bancos a oferecer um spread mínimo inferior a 1% e que as taxas de Euribor continuam negativas, esta pode ser uma altura favorável para rever as suas condições e começar a poupar muito dinheiro.

Se transferir o crédito vai também deixar de pagar a comissão pelo processamento da prestação. Isto porque o Parlamento português aprovou o fim da cobrança desta comissão por parte dos bancos, mas apenas para os novos contratos de crédito.

3. Reveja seguros e outros produtos associados

É muito comum que, na contratação de um crédito habitação, sejam-lhe propostos, por parte da entidade bancária, a aquisição de outros produtos em “troca” de um spread mais baixo ou de outros custos de créditos mais reduzidos. Falamos, por exemplo, de cartões de crédito, contas-poupança,  e seguros. Contudo, estes produtos podem estar a pesar (e muito) na sua prestação. Nalguns casos chegam a pesar mais do que o próprio spread.

Relembramos que não é obrigatório subscrevê-los no banco onde está a solicitar o seu crédito habitação. Ambos os seguros podem ser feitos junto de outras entidades que apresentem melhores condições. O que pode acontecer é que o banco pode decidir agravar as condições de crédito, mas, ainda assim, compensar.

Se decidir transferir o crédito habitação, tem a possibilidade de rever todos estes produtos e condições. Alertamos apenas para a importância de se informar junto da sua instituição de crédito atual sobre o impacto que pode ter da desistência de parte ou da totalidade destes produtos durante o prazo do empréstimo.

4. Reduzir ou alargar o prazo do empréstimo

Neste ponto há uma questão que se coloca: ter uma folga mensal através da redução da prestação ou terminar o crédito mais cedo do que inicialmente previsto, graças à redução de prazo?

Não existe uma resposta certa ou errada. Tudo depende da sua preferência e das suas possibilidades. Pois, se por um lado, um crédito com prazo mais longo terá prestações mais baixas, por outro lado, quando o prazo de reembolso é mais longo a amortização de capital é mais lenta, logo paga mais juros por ele.

No entanto, o importante é nunca comprometer o seu orçamento familiar e garantir que não entra em incumprimento. Ou seja, se precisar aumentar o prazo para poder pagar as suas dívidas e fazer face aos restantes encargos, essa pode ser a solução para ter uma poupança e uma vida financeira mais confortável.

Para ajudá-lo nesta tarefa, pode pedir ao seu banco que lhe apresente o impacto de diferentes prazos no valor da prestação mensal e no montante total de juros e outros custos que terá de pagar pelo empréstimo.

Pode ainda recorrer ao  simulador de crédito para calcular as prestações do seu crédito e os respetivos prazos.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.