Antes de mais, gostaria de referir um trabalho lindo e muito importante não apenas para a ciência, mas para o nosso auto conhecimento, realizado pelo cientista japonês Masaru Emoto e publicado nos livros “As mensagens da água”. Este cientista recolheu água de vários locais em garrafas de vidro e colocou palavras viradas para o interior. Congelou a água e depois retirou pequenas quantidades da mesma e observou ao microscópio os seus cristais. Os cristais formados pela água cujas palavras eram de amor e gratidão, eram lindíssimos, enquanto os cristais submetidos á energia das palavras de ódio e raiva eram totalmente distorcidos. A mesma água reagia consoante a energia da vibração das palavras.

O nosso corpo é constituído por 70% de água. Se a água exterior a nós reage desta forma, como reage a água dentro do nosso corpo á vibração dos nossos pensamentos e palavras que está tão intimamente ligada a nós 24 horas por dia?

Um outro trabalho muito interessante tem sido conduzido por cientistas russos que encontraram evidência em como o nosso ADN pode ser reprogramado e influenciado por palavras e frequências sem cortar e substituir genes individuais.

Apenas 10% do nosso ADN é usado para as construções proteicas do nosso organismo, e tem sido este subconjunto de ADN a área de interesse de pesquisadores ocidentais, sendo os outros 90% considerado “ADN lixo”. Contudo, os pesquisadores russos convencidos (e com razão) que a natureza não é estúpida, têm reunido cientistas e geneticistas que exploram este “ADN lixo” e as suas conclusões tem sido revolucionárias. Descobriram que o ADN não é apenas responsável pela construção do corpo, mas também por armazenamento e informação e comunicação.

Desta forma enquanto os pesquisadores ocidentais cortam genes individuais dos filamentos de ADN e os inserem noutro local, os russos trabalham em dispositivos que influenciam o metabolismo celular através de frequências de rádio e de luz apropriadas e assim reparam defeitos genéticos. Também conseguiram compreender o poder do pensamento e das palavras para reprogramar o nosso ADN e assim explicar o poder das afirmações positivas, hipnose, etc.

Saiba mais na próxima página

Palavras têm muita força sim! Em primeiro lugar em nós mesmos, quando falámos, plantamos a semente da criação da nossa vida. Se olharmos para o nosso passado, podemos constatar que em muitos aspectos o que dissemos, foi o que nos tornamos. As nossas palavras tornam-se uma auto profecia, quantas vezes dizemos “nunca serei…farei…”?! Condicionamos as oportunidades maravilhosas que o Universo tem para nós com uma auto profecia derrotista. Nós somos os criadores das nossas circunstâncias que são alinhadas com os nossos pensamentos e palavras.

Se não gostam do que vivem, mudem as vossas palavras, vocês podem abençoar ou amaldiçoar a vossa própria vida. Se calhar para isso, ajuda desligar o televisor na hora do noticiário e evitar conversas sobre a crise. Quanto mais as pessoas se reúnem para falar em desgraças, mais elas se instalam. Acreditem e falem de abundância na vossa vida, abundância de amor, saúde, dinheiro. Se não se acharem merecedores a não ser da desgraça estão á espera de quê?

Os nossos pensamentos tornam-se as nossas palavras e estas tornam-se atitudes. Atitudes tornam-se hábitos e estes valores. Por fim, os nossos valores transformam-se no nosso destino!

E o efeito das palavras nos outros? Há umas semanas atrás ouvi falar de um estudo que foi noticiado sobre a relação entre as pessoas que proferem palavrões e a sua longevidade, sendo que a conclusão é que vivem mais e melhor do que os outros que se calam. Para mim este estudo deve ser proveniente de um grupo de pessoas exaltadas que querem assim justificar o seu comportamento social. Não é possível insultar outros sem sentir essa raiva latejante. Em primeiro lugar raiva, irritação faz mal ao fígado de quem tem essas emoções, em segundo lugar cria maus relacionamentos sociais e na família. Primeiro surge a emoção, o pensamento e por fim a palavra, portanto palavras ditas sem sentir não existem!!!

As palavras que dirigimos aos outros podem dar vida, esperança, coragem, fortalecer relacionamentos, ou podem “matar” de dor, destruir outro ser. Depois de lançada a flecha, não há desculpas que a façam retroceder e aí só pelo caminho do perdão de quem a recebeu.

Algumas pessoas acham que tem o direito de dizer tudo o que pensam e sentem, não importa como, nem a quem, o importante é “falar”. Mas, em geral essas mesmas pessoas ficam muito ofendidas quando alguém lhes diz algo que não lhes agrada. Este é o efeito boomerang das nossas acções!

Vivemos um tempo de despertar da nossa consciência, o que significa estar no Aqui e Agora em toda a plenitude do nosso ser. Nesta consciência precisámos de adquirir Mestria dos nossos pensamentos e assim podemos adquirir mestria das nossas palavras.

A Mestria adquire-se no silêncio da nossa alma, onde o Infinito se manifesta.

Se lhes for muito difícil o silêncio, pelo menos deixem fluir nos vossos lábios palavras de gratidão constantes, pois elas são poderosas e a chave mestra para a felicidade.

Namaste.

Isabel Costa

Naturologista e palestrante

www.alquimiaalimentar.com

isacosta@netcabo.pt

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.