As cicatrizes são marcas que não se apagam e revestem-se frequentemente de um significado emocional. Para o médico representam, muitas vezes, a fase final de um tratamento.

Tratar cicatrizes implica um entendimento da componente psicológica e social que lhe está associada. Por isso, o reconciliar com a experiência/acontecimento que esteve na origem daquela marca nem sempre é fácil.

O que é e como se forma uma cicatriz?

Objetivamente, uma cicatriz corresponde à resposta natural do organismo à lesão dos tecidos e é uma tentativa de restaurar a integridade e a força. Apresenta uma estrutura/arquitetura desorganizada com perda dos anexos cutâneos (pelos e pequenas glândulas que normalmente existem na pele). É uma entidade dinâmica, evolutiva, que sofre alterações graduais até estagnar com o aspeto típico de uma cicatriz madura. Nem sempre este processo é linear e por vezes temos desvios à rotina normal da cicatrização. Assim surgem as cicatrizes hipertróficas e os quelóides.

"Daddy Do-Over", a cirurgia que está a conquistar cada vez mais homens
"Daddy Do-Over", a cirurgia que está a conquistar cada vez mais homens
Ver artigo

De facto, a cicatrização é um processo altamente regulado e influenciado pelo meio circundante. Este processo abranda quando ocorre encerramento da ferida e epitelização subsequente. Nos processos anómalos, este abrandamento não ocorre, porque os sinais não são corretamente interpretados e o processo de reparação continua a decorrer. As cicatrizes hipertróficas e os quelóides são doenças fibroproliferativas da cicatrização que cursam com cicatrização excessiva. Há nestes casos uma hiperregulação da síntese, deposição e acumulação de colagénio.

Como podemos minimizar as marcas das cicatrizes?

Numa fase inicial, se estivermos perante uma ferida, é essencial limpar e cuidar os tecidos o melhor possível. A troca regular dos pensos, a utilização da técnica asséptica e os apósitos adequados são as medidas chave para um bom começo do processo cicatricial.

Tratando-se de uma ferida cirúrgica, a técnica atraumática, sem tensão, com uma aposição perfeita e o respeito, sempre que possível, pelas caraterísticas elásticas da pele são os cuidados essenciais. Depois de encerrada a ferida, há que ter atenção à remoção atempada dos pontos, para que não fiquem marcas.

Quando são usados fios absorvíveis este passo é evitável, mas nem sempre estes materiais são os mais indicados.

10 coisas que tem de saber antes de uma mamoplastia de aumento
10 coisas que tem de saber antes de uma mamoplastia de aumento
Ver artigo

Características do doente influenciam processo

Certas caraterísticas inerentes ao paciente também podem influenciar a evolução das cicatrizes.

A diabetes, a obesidade, a malnutrição e exposição a radiação influenciam negativamente o processo cicatricial. A medicação prolongada com corticoides e isotretinoina também não ajudam e não podemos esquecer a influencia da carga genética no resultado final das cicatrizes.

Depois de devidamente estável (ferida fechada e, no caso de uma cicatriz cirúrgica, já sem pontos) é importante não esquecer a proteção solar e a par disso é preciso dar início aos cuidados locais:

  1. Aplicação de silicone em gel ou em placa - previne, acelera a maturação e diminui os sintomas (comichão, picada, ardor);
  2. Pressão e massagem - o estímulo mecânico ajuda à reorganização das fibras de colagénio.
    Quando as medidas básicas não são suficientes, a injeção de corticoide na cicatriz e o tratamento superficial com laser não ablativo são outros recursos a considerar. Em última instância, quando a cicatriz está mal orientada ou evoluiu em condições muito adversas com impacto negativo no resultado final, a revisão cirúrgica deve ser considerada.

Notas sobre cicatrização anómala

Cicatrizes Hipertróficas: são avermelhadas e ficam elevadas, mas não crescem além dos limites da ferida. São dolorosas e pruriginosas. Formam-se em zonas de tensão. O processo patológico é autolimitado e regride com o tempo, contudo, sem intervenção terapêutica essa regressão pode demorar anos.

Quelóides: Os quelóides podem surgir na sequência de uma cirurgia, mas também após situações mais simples e comuns como piercing, tatuagens. O barbear, em pessoas com particular suscetibilidade, pode conduzir à formação de quelóides. Podem surgir no imediato ou passados meses ou anos após a lesão. Os quelóides ultrapassam as margens da ferida que esta na base da cicatriz. Um quelóide não é uma patologia comum e ocorre principalmente na pele mais escura. Áreas corporais com maior tendência: peito, ombros, lóbulos (orelhas) e face (bochecha). Os asiáticos tem também maior tendência.

Os conselhos e explicações são da médica Ana Silva Guerra, especialista em Cirurgia Plástica e Reconstrutiva.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.