Em cone ou em copo, de certeza que já provou gelados capazes de lhe deixarem água na boca. Mas sabia que eles podem ser uma óptima fonte de cálcio, vitaminas e antioxidantes? Eis o lado nutricional dos gelados que importa conhecer… Deixe de lado a ideia feita de que os gelados são apenas guloseimas! Na verdade, têm por base ingredientes com comprovados benefícios para a saúde: leite, fruta e chocolate.

Quando integrados num estilo de vida saudável e numa alimentação equilibrada, são uma alternativa para ingerir diferentes nutrientes como cálcio, sais minerais e vitaminas. Por isso, não tem de se sentir culpada por comer um gelado ao lanche ou à sobremesa. Os gelados estão tradicionalmente associados às férias e momentos especiais. Mas isso era antes! Agora já pode comer gelados todos os dias! Como sabe, existem variadas opções de gelados com perfis nutricionais diferentes, desde os mais indulgentes aos mais “leves”. Por isso, escolha o que lhe parece mais adequado a cada circunstância.

Tentação e nutrição

Há mais de três mil anos que os gelados conseguem seduzir os paladares até dos mais exigentes. Um dos principais aliados do gelado é o leite, que lhe confere a cremosidade e sabor característicos. Graças ao leite, as crianças e pessoas de idade podem encontrar nos gelados uma fonte alternativa de:

Cálcio – Fundamental para proteger os ossos, prevenir a osteoporose e doenças cardiovasculares

Fósforo – Ajuda à absorção do cálcio no intestino

Ferro, potássio e magnésio – Com funções reguladoras e estruturais importantes na formação das células e tecidos, contribuem para o crescimento e desenvolvimento das crianças.

Mas existem mais motivos para ceder à tentação! Os gelados com sabores ou coberturas de fruta são uma maneira de ingerir os nutrientes das fruta natural. Sabia que a Organização Mundial da Saúde recomenda o consumo de 3 a 5 peças de fruta por dia? Um gelado pode ajudar a atingir esta meta, já que tem óbvios benefícios para o organismo:

- Tem vitamina A, micronutriente que intervém no processo de crescimento

- Actua como antioxidante no combate a agressões externas devido ao seu valor em vitamina E

- Evita a fragilidade dos ossos e dentes, dá resistência aos tecidos e ajuda à cicatrização, graças à quantidade de vitamina C que contém;

- Tem vitaminas do complexo B (sobretudo ácido fólico), que contribuem para o funcionamento do sistema nervoso ou da medula óssea.

Para além de a deliciarem, as coberturas de chocolate apresentam vastas propriedades nutricionais e emocionais. Com cheiro e sabores únicos, o chocolate é rico em substâncias que podem actuar como estimulantes do sistema nervoso central. Por outro lado, tem flavonóides que trabalham como antioxidantes, evitando a formação dos radicais livres que atacam as paredes das artérias.

Crenças associadas ao consumo de gelados

Os gelados engordam?

Não se pode dizer que os gelados engordam. A obesidade não está associada à ingestão de um alimento em particular, mas ao conjunto de alimentos que compõem a nossa dieta. Para além disso, os problemas de aumento de peso surgem normalmente quando há um consumo elevado de alimentos e um baixo gasto energético nas actividades diárias. Para prevenir o risco de obesidade, o mercado disponibiliza actualmente gelados com apenas 99 kcal. e em formatos mini.

Provocam cáries?

De forma geral, não devemos dizer que todos os alimentos que têm açúcar causam cáries. Para se formarem cáries, é preciso que ocorram diversos factores em simultâneo: integração de açúcares na alimentação; tempo suficiente de contacto entre os açúcares e os dentes; baixo fluxo de saliva aumentando a acidez na boca; e, o mais grave, falta de higiene oral.

A sua temperatura faz mal à garganta?

O gelado tem habitualmente uma temperatura que varia entre os -12º e os -15ºC. No entanto, ao entrar na boca o organismo reage elevando a sua temperatura até aos 8º ou 10ºC. Mesmo quando é consumido muito rapidamente, entram em funcionamento reflexos protectores que provocam uma maior permanência do alimento na boca e estimulam a secreção salivar, evitando que siga para a zona do palato muito frio.

Dificultam a digestão?

O frio do gelado não tem influência no processo digestivo, porque a sua temperatura vai subindo no decorrer da digestão até chegar ao estômago. Alguns gelados têm também fibras, especialmente os de fruta, que ajudam o processo digestivo e potenciam a sensação de saciedade. Uma sugestão: entre pratos “pesados”, um geladinho de limão pode ajudar a limpar o paladar e a preparar as papilas gustativas para o manjar seguinte.

Têm corantes artificiais?

Actualmente, as marcas mais vendidas não recorrem aos corantes artificiais. Na verdade, a indústria tem vindo a substituir os corantes artificiais pelos naturais, como o beta-caroteno, constituinte das cenouras, que dá um tom alaranjado aos gelados.

São muito ricos em açúcar?

Regra geral, um gelado tem a mesma porção de sacarose que um iogurte de fruta. Até as pessoas que sofrem de diabetes os podem comer, desde que tomem as precauções habituais medindo os níveis de açúcar! Os gelados têm nutrientes complexos que permitem uma absorção demorada, com pouco impacto no índice glicémico.

Fazem dor de cabeça?

Vários estudos comprovam que o consumo de gelados não pode estar relacionado com a dor de cabeça. Na verdade, se o frio estimular o palato, que fica perto da faringe, de forma prolongada pode desencadear mal-estar. Mas não há razão para deixar de comer gelados, basta introduzir porções moderadas de cada vez na boca.

Fonte: Helena Cid – Nutricionista

04 de Abril de 2008

(SSD)

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.