Manter o peso desejado pode ser uma verdadeira odisseia para muitas pessoas. As dietas restritivas até podem resultar a curto prazo, mas trazem riscos para a saúde, alguns irreparáveis, e o mais certo é voltar a ganhar os quilos perdidos. Por isso, a fórmula mais acertada é adotar hábitos alimentares saudáveis a longo prazo, que garantam saúde, bem-estar físico e emocional, e que ajudem a controlar o peso.

O primeiro passo para atingir os seus objetivos é cair menos em tentação, ou seja, fazer escolhas mais saudáveis. Além disso, deve ter em atenção que o que come deve estar em linha com as suas necessidades: peso, altura, nível de atividade física, sexo e idade.

O segundo passo é cuidar da sua microbiota (flora) intestinal. Quanto mais variada for a comunidade de microrganismos presentes no intestino, melhor será a sua saúde e bem-estar, até porque algumas bactérias que habitam o intestino têm um papel de relevo na prevenção e tratamento do excesso de peso e da obesidade. Por exemplo, a proteína ClpB é produzida pelas enterobactérias Hafnia alvei, que atuam no controlo do apetite ao comunicar com os neurónios responsáveis pela sensação de saciedade.

Em terceiro lugar deve comer alimentos mais ricos em energia nos períodos de maior atividade, geralmente durante a manhã e ir reduzindo o aporte ao longo do dia. E, por outro lado, evitar comer fora dos horários estabelecidos para as refeições, para que o organismo utilize as reservas de gordura como energia.

Mas, para que não restem quaisquer dúvidas sobre o que comer foi criada a parceria “Tem perguntas sobre Dieta Alimentar? A equipa Clínica Iara Rodrigues pode ajudar”, onde poderá encontrar respostas para as dúvidas relacionadas com a alimentação durante todo o verão. Entretanto, pode tomar nota de cinco dicas que vão fazer a diferença para o bom funcionamento do seu organismo:

1 – Mais alimentos ricos em fibra, menos alimentos processados. A fibra é um prebiótico, os prebióticos estimulam o crescimento e/ou atividade dos probióticos, como a Hafnia alvei, uma estirpe naturalmente presente na microbiota intestinal humana. Estes alimentos apresentam, em geral, um baixo valor calórico e conferem saciedade. Além disso, os alimentos de origem vegetal são ricos em fitoquímicos, muitos deles com importantes funções na regulação da microbiota, de forma benéfica, e ainda na regulação do metabolismo, facilitando a degradação de gordura. Acresce que a ingestão destes alimentos potencia a ingestão de vitaminas e minerais, fundamentais no combate ao stress oxidativo e à inflamação. Quanto aos alimentos processados, têm normalmente valores calóricos elevados, bem como emulsionantes ou adoçantes que podem alterar a microbiota intestinal com impacto metabólico não desejável, como inflamação crónica de baixo grau e consequentemente resistência à insulina.

2 – Escolha gorduras de boa qualidade. Privilegie o azeite como gordura de adição e reduza o consumo de alimentos ricos em gordura, como as carnes gordas, leite e derivados, enchidos, etc. Os frutos secos apesar de serem ricos em gordura, contém gordura de boa qualidade que nos confere saciedade, por isso são uma boa escolha para fazer uma pequena refeição a meio do dia. Dentro das gorduras polinsaturadas, privilegie as gorduras ómega-3, presentes sobretudo na gordura do peixe, uma vez que favorecem a perda de peso.

3 – Imponha limites ao açúcar. Eduque o paladar e reduza gradualmente a quantidade de açúcar. O consumo de açúcar leva à libertação da insulina e esta hormona está implicada não só na regulação do apetite como também em processos metabólicos que gerem a forma como armazenamos energia (gordura) no organismo.

4 – Atenção ao sal. O consumo de sal está associado ao aumento da pressão arterial e ao risco de acidente vascular cerebral, mas também à obesidade. Evite a adição de sal na confeção das refeições e opte por ervas aromáticas e especiarias para garantir refeições saborosas.

5 – Beba (muita) água. A água é essencial para o bom funcionamento do organismo: ajuda a regular a temperatura do nosso corpo, a eliminar as toxinas e a estimular o trânsito intestinal. Por isso, beba água e chás não açucarados e coma sopas. As reações químicas do organismo ocorrem em meio aquoso. Já as bebidas alcoólicas são de evitar, uma vez que têm muitas calorias.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.