Os resultados, publicados na revista científica americana The American Medical Association (JAMA), baseiam-se na análise dos registos de saúde recolhidos entre 2005 e 2012 no estado da Pensilvânia, Estados Unidos.

Os investigadores encontraram mais de 35.000 pacientes com cinco a 90 anos com asma.

A maioria das crises de asma - cerca de 21.000 no total - foram leves e puderam ser tratadas com medicamentos corticoides.

Outras 4.782 crises foram graves e requereram hospitalização, e 1.870 foram crises moderadas nas quais os pacientes foram levados para unidades de emergência.

Veja ainda: 10 substâncias químicas prejudiciais à saúde

Os investigadores mapearam as localidades de residência de cada um dos pacientes e relacionaram-nas com o tamanho e número de operações de gás natural nas imediações.

Os resultados demonstraram que os que moravam perto de poços de gás natural ativos eram significativamente mais propensos - de 1,5 a quatro vezes - a sofrer crises de asma.

Por outro lado, as conclusões não se alteraram quando os cientistas tomaram em conta outros fatores que podem exacerbar a asma, como viver perto de estradas, histórico familiar da doença ou tabagismo.

"A nossa investigação foi a a primeira a analisar a asma, mas temos vários estudos que mostram resultados de saúde adversos relacionados com a perfuração de poços de gás natural não convencionais", disse Sara Rasmussen, autora principal do estudo e investogadora do departamento de Ciências da Saúde Ambiental da Bloomberg School na Universidade Johns Hopkins, citada pela agência de notícias France Presse.

A asma é uma doença crónica que pode piorar com a poluição do ar, o stress e as perturbações do sono.

O "fracking" é uma técnica que consiste em injetar uma mistura de água, areia e produtos químicos no subsolo para liberar petróleo e gás de xisto presos em camadas de rocha.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.