“Francamente, não temos medo de contagiar alguém, isso será algo muito difícil por parte da comunidade que cá [Portugal] vive, porque as entradas e as saídas dos países estão extremamente controladas”, disse à Lusa, após a Direção-Geral de Saúde (DGS) confirmar estar a avaliar um segundo caso suspeito de infeção em Portugal.

A possibilidade de algum chinês residente em Portugal ser portador do vírus é tão remota como “poder-lhe sair o euromilhões”, exemplificou.

Contudo, apesar disso, o líder da comunidade chinesa receia que o “medo de contágio” afaste os portugueses dos negócios geridos pelos chineses e que estão espalhados por todo o país, nomeadamente lojas e restaurantes, o que seria um “grande problema”.

Y Ping Chow contou não conhecer nenhum chinês residente em Portugal proveniente de Wuhan, cidade com 11 milhões de habitantes onde foi detetado o vírus no final do ano.

“Mas não significa que não haja, eu não conheço é nenhum”, frisou.

Apesar dos receios, o presidente da Liga dos Chineses em Portugal considerou que o país é “compreensivo” e “nada discriminatório”, mostrando-se “tranquilo” quanto às repercussões que as “notícias sobre o vírus” possa ter na comunidade.

Acredita, contudo, que as relações comerciais, ainda que no imediato, vão “passar por dificuldades”, até por causa das normas de segurança agora impostas.

“A entrada e a saída de mercadoria no país vai ser mais difícil, mas não será uma situação dramática”, entendeu.

A Direção-Geral de Saúde (DGS) informou hoje estar a avaliar o segundo caso suspeito de infeção por Coronavírus em Portugal, estando o mesmo a caminho do hospital de São João, no Porto.

“Este doente regressou da China no dia 22 de janeiro onde teve contacto com um cidadão com provável infeção pelo 2019-nCoV [Coronavírus] e está a ser encaminhado para o Centro Hospitalar Universitário de S. João no Porto, hospital de referência para estas situações”, adiantou, em comunicado.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou na quinta-feira uma situação de emergência de saúde pública de âmbito internacional (PHEIC, na sigla inglesa) por causa do surto do novo coronavírus na China.

Uma emergência de saúde pública internacional supõe a adoção de medidas de prevenção e coordenação à escala mundial.

Esta é a sexta vez que a OMS declara uma emergência de saúde pública de âmbito internacional.

Para a declarar, a OMS considerou três critérios: uma situação extraordinária, o risco de rápida expansão para outros países e a exigência de uma resposta internacional coordenada.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.