“É necessária uma autorização do ministro das Finanças para substituir um enfermeiro ausente por doença ou licença parental e há hospitais que estão à espera por mais de três meses para substituir um profissional”, afirmou a bastonária Ana Rita Cavaco, em declarações à agência Lusa.

A responsável lembra que o próprio diploma que instituiu a obrigatoriedade da autorização do Ministério das Finanças define que esse aval tem de ser dado num prazo de 72 horas.

Estas são as 10 doenças mais estigmatizadas do mundo
Estas são as 10 doenças mais estigmatizadas do mundo
Ver artigo

Segundo Ana Rita Cavaco, a carência de enfermeiros “tem vindo a agravar-se” e a contratação imediata de profissionais para substituição de colegas ausentes tem sido dificultada.

São vários os exemplos de unidades de saúde com dificuldades, refere a bastonária, que na terça-feira vai visitar o Centro Hospitalar Tondela-Viseu, “onde a grave carência de enfermeiros já motivou demissões em bloco”.

A Ordem refere ainda que um abaixo-assinado, com quase uma centena de subscritores, foi também enviado ao Ministério da Saúde e às câmaras municipais de Tondela e Viseu, alertando para o problema daquele Centro Hospitalar.

A exposição, também enviada à Ordem, manifesta que a carência de enfermeiros se tem agravado, “ao ponto de as condições de trabalho porem em causa a segurança dos próprios profissionais e dos doentes”.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.