Funcionários dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos disseram aos investigadores que trabalhadores da Casa Branca intimidaram o pessoal e tentaram reescrever os seus relatórios.

Os funcionários tomaram "medidas sem precedentes" para conseguir que os emissários de Trump participassem da "publicação e refutassem os relatórios científicos dos CDC, incluindo a redação de artigos de opinião e outras mensagens públicas para contrapor diretamente as descobertas dos CDC", diz o documento.

Os investigadores entrevistaram uma dúzia de funcionários atuais e anteriores dos CDC, assim como nomes do alto escalão do governo, para elaborar o documento de 91 páginas publicado pelo Subcomité Selecionado de Supervisão da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos para a Crise do Coronavírus.

O colégio descreve como os indicados por Trump no Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS, na sigla em inglês) tentaram apoderar-se da revista científica semanal dos CDC, o Boletim Semanal de Morbidade e Mortalidade (MMWR, na sigla em inglês), editando ou bloqueando os artigos que acreditavam que poderiam ser prejudiciais ao ex-presidente.

Os emissários de Trump tentaram "alterar o conteúdo, refutar ou atrasar a publicação" de 18 números do MMWR e um alerta sanitário, conseguindo fazê-lo em pelo menos cinco ocasiões.

O relatório cita um funcionário de comunicação dos CDC que se queixou de que um aliado de Trump no HHS tinha recorrido a um "comportamento intimidatório". Essa atitude fez com que os funcionários dos CDC "se sentissem ameaçados".

Jay Butler, subdiretor de doenças infecciosas dos CDC, disse que lhe pediram que não fizesse mais relatórios depois das suas declarações serem consideradas "alarmantes demais" pela Casa Branca.

"A investigação do Subcomité Selecionado mostrou que a administração anterior se envolveu numa campanha sem precedentes de interferência política na resposta à pandemia do governo federal, que minou a saúde pública para beneficiar os objetivos políticos do ex-presidente", disse o presidente do painel, o democrata Jim Clyburn, em comunicado.

"Como mostra o relatório de hoje [segunda-feira, 17], o presidente Trump e os seus principais assessores atacaram repetidamente os cientistas dos CDC, comprometeram a orientação de saúde pública da agência e suprimiram os relatórios científicos num esforço por minimizar a gravidade do coronavírus", acrescentou.

Os republicanos rejeitaram o relatório por considerarem-no enviesado e prometeram realizar a sua própria investigação se recuperarem o controlo da Câmara dos Representantes e do Senado nas eleições legislativas de meio de mandato que acontecem em novembro.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.