O período entre 2010 e 2019 foi a década mais quente já registada, anunciaram hoje as Nações Unidas, que consideram que se confirma assim o crescente aquecimento global, marcado pelo aumento de fenómenos metereológicos extremos.

O ano de 2016 foi o mais quente - graças ao pico do fenómeno climático cíclico El Niño - e 2019 veio a seguir, segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM).

10 alimentos em vias de extinção
10 alimentos em vias de extinção
Ver artigo

“Infelizmente, aguardam-nos muitos fenómenos metereológicos extremos em 2020 e nas próximas décadas, motivados pelos níveis recorde de concentração de gases com efeito de estufa que retêm o calor na atmosfera”, afirmou o secretário-geral daquela agência da Organização das Nações Unidas (ONU), Petteri Taalas, em comunicado.

O responsável referiu que o ano começou com “fenómenos meteorológicos e climáticos de forte impacto”, como na Austrália, que “teve em 2019 o seu ano mais quente e mais seco” de sempre, acrescentou.

Esse clima “preparou o terreno para os incêndios imensos que foram tão devastadores”, matando 28 pessoas, destruindo mais de 2.000 casas e 100.000 quilómetros quadrados, uma área maior do que o território da Coreia do Sul.

Desde a década de 1980, cada década foi mais quente que a anterior, segundo a OMM, que salientou que a temperatura mundial anual em 2019 ultrapassou em 1,1 graus a média das temperaturas globais da época pré-industrial (1850-1900).

Já a NASA considera que o ano de 2019 foi 0,98 graus Celsius mais quente do que a média dos anos entre 1951 e 1980.

Um plano de treino para eliminar gorduras a partir de hoje
Um plano de treino para eliminar gorduras a partir de hoje
Ver artigo

"A década que passou é claramente a mais quente alguma vez registada. Cada década desde os anos 1960 foi claramente mais quente do que a anterior", disse em comunicado Gavin Schmidt, director do Instituto Goddard para os Estudos Espaciais, da NASA.

Já de acordo com os dados recolhidos pela agência dos Estados Unidos que estuda os oceanos e a atmosfera (NOAA), o ano de 2019 registou uma anomalia de +0,95 graus Celsius, em relação à média do século XX, enquanto o de 2016, o mais quente registado neste período, atingiu +0,99 graus.

A temperatura global anual aumentou cerca de 0,07 graus Celsius por década desde 1880 e mais do dobro (0,18 graus Celsius) desde 1981, revela ainda o NOAA.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.