Antes de fazer uma tatuagem temporária, informe-se se é composta por hena natural ou por hena negra. Esta última pode ser bastante perigosa para a saúde e deixar sequelas na sua pele para sempre, avisa a DECO.

"Para ter a certeza que não está a fazer uma tatuagem de hena negra, recomendamos que procure saber a lista de ingredientes. Se não lhe souberem dar qualquer informação, não faça a tatuagem", adverte aquele organismo.

Quer fazer um piercing ou tatuagem? Siga estas 10 recomendações médicas
Quer fazer um piercing ou tatuagem? Siga estas 10 recomendações médicas
Ver artigo

Outro sinal de alerta é a cor. "A pasta de hena natural varia entre o verde-acastanhado e o castanho. Se a pasta apresentada for mais escura (negra), não alinhe. Pergunte o tempo de exposição. Recuse igualmente se lhe disserem que consegue remover o desenho após uma hora, pois trata-se de hena negra", lê-se numa nota da DECO.

Para que durem mais tempo e sejam mais escuras, são adicionados corantes naturais, como o indigno ou a parafenilenodiamina a este tipo de tinta. Este componente é uma substância química proibida em produtos de decoração da pele, porque pode provocar reações alérgicas. "Serve para alcançar um efeito mais rápido e a cor negra mais intensa da tatuagem temporária", refere a DECO.

O que pode provocar?

"Em casos mais graves, a tatuagem de hena negra causa um eczema de contacto na área tatuada ou mesmo noutras partes do corpo. O aparecimento do eczema pode ser imediato ou demorar vários dias após a aplicação da tatuagem. Regra geral, a pele fica vermelha, a comichão é intensa e formam-se pequenas bolhas que rebentam ao coçar", indica.

As desigualdades entre ricos e pobres também podem ser vistas do céu
As desigualdades entre ricos e pobres também podem ser vistas do céu
Ver artigo

"A zona afetada, por vezes, tornar-se seca e escamosa. Também há casos de reações mais violentas que necessitam de intervenção médica urgente ou até de hospitalização. Recomenda-se que aos primeiros sintomas recorra a um médico", adverte a DECO.

"Algumas pessoas ficam sensibilizadas à parafenilenodiamina para sempre, o que as obrigará a estarem muito atentas no dia-a-dia", conclui.

Por outro lado, a resposta alérgica a uma segunda exposição de parafenilenodiamina pode ser mais grave porque a probabilidade de voltar a entrar em contacto com parafenilenodiamina é grande.

"Esta substância está presente, embora em menor quantidade, noutros produtos. Falamos de tintas capilares, borracha, roupa, sapatos, protetores solares e até medicamentos", explica a DECO.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.