A técnica passou pela introdução de mutações causadoras da doença num modelo animal, a C. Elegans, capaz de simular todo o processo degenerativo que ocorre no ser humano. A prova da eficácia do modelo foi feita com fármacos já disponíveis no mercado e com outros em fase final de ensaios pré-clínicos.

Algumas mutações na TTR (Transtirretina) são as responsáveis pelo desenvolvimento da PAF, uma doença neurodegenerativa com grande ligação a Portugal e vulgarmente conhecida por doença dos pezinhos ou paramiloidose.

22 doenças muito estranhas
22 doenças muito estranhas
Ver artigo

Esta doença hereditária resulta da produção de TTR anómala no fígado que, dada a conformação da forma mutada, acaba por se depositar noutras áreas do organismo, nomeadamente nos nervos periféricos levando à sua progressiva degeneração.

Como explica em comunicado Miguel Alves-Ferreira, investigador do i3S e um dos envolvidos no projeto, "o fígado é como uma fábrica que está a produzir um produto errado que se deposita noutro sítio; o fígado em si não sofre consequências dessa produção". Por isso as terapêuticas passam, essencialmente, por evitar a formação dos agregados de TTR que se depositam nos nervos periféricos, ou pela eliminação a fonte produtora da proteína. Desta forma, o transplante de fígado também pode ser uma solução. Embora radical, até há bem pouco tempo essa era a única solução terapêutica.

Ratos são mais caros

Um dos problemas no estudo deste tipo de doenças, afirma Miguel Alves-Ferreira, "é encontrar modelos para os estudos pré-clínicos nos quais se possam testar potenciais terapias".

Já existem modelos animais, como ratos e moscas, mas, "ou acumulam a proteína no mesmo órgão onde ela é expressa, ou não apresentam depósitos da proteína mutada (os agregados), situação muito diferente daquilo que se observa nos humanos". Além disso, os ratos são modelos de manutenção dispendiosa e com ciclos de vida muito longos. 

A equipa voltou-se, por isso, para um modelo muito simples e com o ciclo de vida muito curto, a C. Elegans. "Trata-se de um nemátodo (um conjunto de animais cilíndricos e alongados) muito simples, muito bem conhecido, com um sistema nervoso muito bem estudado e é muito fácil de manter em grandes quantidades no laboratório", adianta o investigador. Por outro lado, "a nossa abordagem técnica permite recapitular o processo degenerativo que se observa nos humanos".

12 coisas que acontecem ao corpo quando come ovos
12 coisas que acontecem ao corpo quando come ovos
Ver artigo

De facto, a equipa conseguiu gerar C. Elegans que produzem TTR mutada no músculo, acumulando os agregados noutra parte, precisamente no sistema nervoso.

Para testar a fidelidade do novo modelo, os investigadores aplicaram tratamentos para a PAF com fármacos já disponíveis comercialmente, bem como outros que estão em fase de testes pré-clínicos. Concluíram que o novo modelo em C. Elegans, nas palavras de Miguel Alves-Ferreira, "não só recapitula a doença como apresenta resposta aos tratamentos muito similar à esperada, de acordo com os estudos já existentes".

A ciência fica assim apetrechada com um modelo que apresenta inúmeras vantagens na investigação da doença. Por outro lado, explica-nos o investigador, "a caracterização deste modelo pode ser transposta facilmente para outras doenças neurodegenerativas".

A equipa portuguesa que participou no estudo contou também com a investigadora Carolina Lemos, também do i3S, e é fruto de uma estreita colaboração com o "The Scripps Research Institute", na Califórnia.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.