O movimento de protesto social aumenta no país diante da inflação acima de 10% e das crescentes tensões com o governo conservador, que se recusa a negociar melhorias salariais.

O mal-estar atinge vários setores: enfermeiros, ferroviários, alfândega, correios... Mas a greve das ambulâncias coloca uma pressão especial sobre o governo em razão dos riscos que representa para as pessoas que precisam de cuidados urgentes.

No jornal The Daily Telegraph, o ministro da Saúde, Steve Barclay, acusou os sindicatos de "uma decisão consciente de prejudicar os pacientes".

"É uma declaração verdadeiramente ofensiva para os funcionários do serviço de ambulâncias e do NHS", o sistema público de saúde, respondeu Rachel Harrison, secretária-geral do sindicato GMB.

Beber com moderação

Quase 750 militares receberam formação para substituir os trabalhadores das ambulâncias. Ainda assim, o diretor médico do NHS na Inglaterra, Stephen Powis, pediu que a população beba com moderação porque será "um dia muito difícil para os serviços de saúde".

"Trabalhamos em estreita colaboração com os sindicatos para garantir a manutenção dos serviços de emergência para doenças com risco de morte, incluindo derrames cerebrais e crises cardíacas", disse.

No sudoeste de Londres, alguns manifestantes carregavam faixas com a frase "Salvem o NHS".

A secretária-geral do sindicato GMB disse que "cabe ao governo acabar com o conflito". "Ao recusar-se a discutir salários com os sindicatos, o governo é quem decide continuar o conflito", acusou Harrison.

Ultimato

A greve ocorre um dia após outra dos enfermeiros, que já tinham decretado uma paralisação na semana passada. Na terça-feira à noite, o sindicato Royal College of Nursing enviou um ultimato ao governo, com o prazo de dois dias para alcançar um acordo sobre os salários, sob ameaça de novas paralisações após o Natal.

A categoria, em greve pela primeira vez em 100 anos de existência do sindicato, tornou-se um símbolo do aumento do custo de vida.

O primeiro-ministro Rishi Sunak, porém, permaneceu inflexível na terça-feira. "Reconheço que é difícil. É difícil para todos porque a inflação está onde está", afirmou. "A melhor forma (...) de ajudar a todos é reduzir a inflação o quanto antes", declarou.

No entanto, os profissionais da área da saúde gozam de amplo apoio da população depois de atuaram na linha da frente da luta contra a COVID-19. Além disso, sofrem com a austeridade orçamentária que há anos pesa sobre o respeitado e gratuito sistema público de saúde.

De acordo com uma sondagem do instituto YouGov publicada na terça-feira, dois terços dos britânicos apoiam as greves dos enfermeiros e 63% dos funcionários das ambulâncias.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.