“Tivemos picos em janeiro de infeções e de isolamento profilático nas forças de segurança, que chegaram a atingir no caso da PSP cerca de 10% do efetivo”, disse Eduardo Cabrita aos deputados da comissão parlamentar de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, referindo que na GNR os números foram menores.

O ministro avançou também que mais de 500 bombeiros estiveram infetados com covid-19 ou de quarentena em janeiro.

Eduardo Cabrita sublinhou que foi na segunda quinzena de janeiro que se registou este “nível mais elevado”.

O governante garantiu que estes casos de covid-19 nas forças de segurança e nos bombeiros não colocaram em causa a capacidade operacional e de resposta no âmbito do combate à pandemia e do estado de emergência.

Neste sentido, o ministro explicou que, integrados nas funções essenciais do Estado, os elementos das forças de segurança e os bombeiros são prioritários no processo de vacinação contra a covid-19.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.