“Enquanto em algumas partes do mundo seres humanos morrem por falta de vacinas, aqui as pessoas arriscam as suas vidas e as dos outros ao recusarem-nas. Há quem não brinque à prevenção mas sim com o fogo”, disse Juncker, na abertura de um encontro mundial organizado pela União Europeia (UE) e a Organização Mundial de Saúde (OMS), tendo como fundo a recrudescência de doenças preveníveis pela vacinação como o sarampo.

A UE e a OMS decidiram organizar o encontro de hoje entre responsáveis políticos, sociedade civil, especialistas em saúde pública e representantes de redes sociais para debater a questão da multiplicação de doenças que se pensa poderem ser erradicadas através da vacinação.

O encontro pode ser acompanhado em direto online através do site da Comissão Europeia, informa o organismo comunitário no Twitter.

Três vezes mais casos de sarampo este ano

Segundo dados da organização, foram registados três vezes mais casos de sarampo no primeiro trimestre do ano do que no mesmo período de 2018, a nível mundial.

Tem cerca de 40 anos? Se não teve sarampo, vacine-se
Tem cerca de 40 anos? Se não teve sarampo, vacine-se
Ver artigo

“Na Europa, o número de mortes ligadas ao sarampo multiplicaram-se por seis entre 2016 e 2018”, salientou Juncker, na sua intervenção, referindo que a maior parte dos óbitos foi de pessoas não vacinadas.

Denunciando uma “desconfiança estúpida” em relação à vacinação, Juncker referiu que 38% das pessoas que recusam imunizar-se acreditam que as vacinas causam as doenças que na verdade previnem.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, adiantou, por seu lado, que “as mentiras sobre a vacinação alastram nos países desenvolvidos, na Europa, nos Estados Unidos, no Canadá e outros, mas também em países menos desenvolvidos como o Paquistão e a República Democrática do Congo, comprometendo a luta contra a poliomielite, o Ébola e outras doenças que poderiam ser evitadas graças às vacinas”.

8 perguntas e respostas sobre o sarampo
8 perguntas e respostas sobre o sarampo
Ver artigo

Facebook e Pinterest em campanha pela informação

A UE e a OMS trabalham com várias plataformas incluindo as redes sociais para combater as campanhas de desinformação sobre as vacinas, tendo o responsável da OMS saudado os recentes anúncios no Pinterest e Facebook de que irão orientar os seus utilizadores para informações exatas e fiáveis.

“É um bom começo, mas é preciso fazer mais”, salientou Ghebreyesus.

Também a Google lançou recentemente uma campanha de medidas online contra a publicidade a tratamentos médicos sem evidência comprovada.

Segundo a OMS, em 2018, foram registados 353.236 no mundo, dos quais 82.523 em países da UE, tendo a organização listado a hesitação em vacinar como uma das 10 ameaças à saúde mundial.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.