Fonte da PJ adiantou à agência Lusa que esta substância, o N-desetil-isotonitazeno, foi apreendida em finais de dezembro durante uma operação alfandegária e enviada para os Laboratórios de Polícia Científica (LPC), que detetaram esta droga em comprimidos de falsa oxicodona cujo mercado final não seria Portugal.

A mesma fonte explicou que estes comprimidos estavam “extremamente bem feitos” e eram “exatamente iguais” aos de oxicodona, analgésico vendido na indústria farmacêutica, mas também muito usado no mercado ilegal do consumo de droga.

De acordo com a explicação, esta nova droga sintética iria ser vendida "como se fosse oxicodona” nos mercados ilegais.

Para a sua identificação, o LPC contou com análises complementares, realizadas em colaboração com a Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e com o Instituto Superior Técnico.

Esta nova substância psicoativa pertence a uma classe química que surgiu recentemente na Europa, designada de nitazenos, e que provoca uma sensação de euforia, seguida de sonolência, provocando o bloqueio do sistema respiratório, sendo este uma das principais causas de morte por overdose.

Desde 2019, o Observatório Europeu da Droga e Toxicodependência já sinalizou 16 compostos desta classe de nitazenos, maioritariamente no norte do continente europeu.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.