A identidade do homem permanece sob sigilo médico. Mas o Serviço de Saúde do Reino Unido (NHS, na sigla em inglês) explica que o paciente é um homem que vivia uma relação estável, mas que foi contagiado com gonorreia no início deste ano quando teve um caso esporádico com outra mulher no Sudoeste Asiático.

10 dúvidas comuns (e que ninguém questiona) sobre sexo e doenças
10 dúvidas comuns (e que ninguém questiona) sobre sexo e doenças
Ver artigo

Ao aplicar o tratamento tradicional contra a doença - uma combinação de azitromicina e ceftriaxona - os especialistas constataram que o homem não respondia à terapêutica. "Esta é a primeira vez que um paciente apresenta resistência a estes medicamentos e à maioria dos outros antibióticos frequentemente usados", disse à BBC a médica Gwenda Hughes.

Olwen Williams, presidente da Associação Britânica para a Saúde Sexual, diz que este caso de "supergonorreia" é "muito preocupante", porque dá provas do "desenvolvimento significativo" da bactéria que causa a doença.

Em julho do ano passado, um estudo da OMS revelou que o sexo oral era uma das principais formas de contágio de uma perigosa forma de gonorreia. Nessa altura, este organismo das Nações Unidas admitiu que a gonorreia era cada vez mais difícil de tratar, porque algumas estirpes da bactéria tinham desenvolvido resistência aos antibióticos. A gonorreia pode infetar os órgãos genitais, o reto e a garganta.

10 mitos comuns sobre sexo esclarecidos por uma médica
10 mitos comuns sobre sexo esclarecidos por uma médica
Ver artigo

Que doença é esta?

A gonorreia é uma doença sexualmente transmissível causada pela bactéria Neisseria gonorrhoea. A infeção pode ser transmitida através de sexo desprotegido, quer por via oral quer através da penetração vaginal e anal.

Os sintomas podem incluir uma secreção verde ou amarela a partir dos órgãos sexuais, dor ao urinar e hemorragias esporádicas. Quando não tratada, a patologia pode provocar infertilidade ou doença inflamatória pélvica, por exemplo.

"Desde a introdução da penicilina, que garante uma cura rápida e confiável, a gonorreia desenvolveu resistência a todos os antibióticos", explicou Richard Stabler, da Escola de Londres de Higiene e Medicina Tropical.

"Nos últimos 15 anos, a terapia teve de ser reforçada por três vezes devido ao aumento da taxa de resistência. Estamos agora num ponto em que estamos a usar fármacos de último recurso, com sinais preocupantes de falha nos tratamentos devido a estirpes multirresistentes", conclui o médico.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.