Anunciado como um "super alimento" por uma vasta comunidade de marcas e adeptos da vida saudável, o óleo de coco é, afinal, "uma das piores coisas que se pode comer". A garantia é da médica e epidemiologista Karin Michels, docente numa das instituições de ensino mais prestigiadas dos mundo, a Universidade de Harvard.

10 conselhos médicos para ter um coração de ferro
10 conselhos médicos para ter um coração de ferro
Ver artigo

Defendido por alguns entusiastas da nutrição como uma opção natural e saudável, este ingrediente é rico em ácidos gordos saturados, que aumentam o colesterol mau (LDL), o que para Karin Michels, que é também diretora do Instituto de Prevenção e Epidemiologia de Tumores da Universidade de Friburgo na Alemanha, é "puro veneno".

Apesar da poderosa campanha de marketing que advoga os benefícios do óleo de coco, não há, na realidade, estudos que o comprovem do ponto de vista científico. Há, sim, a certeza de que o óleo de coco tem mais de 80% de gordura saturada, que é, sem dúvida, altamente maléfica para a saúde. "Puro veneno", resume a professora universitária ao longo da sua palestra na Alemanha.

"Nada saudável", dizem cientistas

As múltiplas propriedades do ginseng explicadas por um médico
As múltiplas propriedades do ginseng explicadas por um médico
Ver artigo

Segundo a BBC, o óleo de coco é visto pela comunidade científica como uma gordura "nada saudável", embora a opinião pública tenha uma outra percepção - mais positiva - em relação àquele ingrediente.

Este alimentos contém níveis de gorduras saturadas muito altos (86%), maiores do que os da manteiga (51%) ou da banha de porco (39%), por exemplo.

No Reino Unido, a maioria dos nutricionistas defende que o consumo do óleo de coco, por ser rico em gordura saturada, deve ser feito apenas em ocasiões pontuais, usando, em alternativa, gorduras como o azeite ou o óleo de girassol.

O vídeo (sem legendas e em alemão) da conferência da professora de Harvard está a tornar-se viral nas redes sociais.

A "American Heart Association" já tinha alertado, em junho de 2017, para os malefícios decorrentes do consumo exagerado de óleo de coco para a saúde cardiovascular.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.