24 de janeiro de 2013 – 15h50
Uma proteína presente nas células de gordura alia-se às células cancerígenas do cancro da mama e protege-as, contribuindo para o alastramento do tumor, conclui um estudo norte-americano.
O relatório da Universidade do Texas, concluído em outubro de 2012 e agora divulgado, corroborou a ligação entre a progressão do cancro da mama e a obesidade.
A investigação, realizada em ratinhos de laboratório, revelou que a proteína COL6, presente nas células de gordura, rodeia as células que compõem os tumores de mama e contribui para o crescimento da massa cancerígena. 
Durante o estudo, foi observado ainda que a proteína COL6 também promoveu o crescimento de metástases. Os roedores com baixa quantidade dessa proteína apresentaram menos incidência de tumores e metástases. 
Os autores do estudo, Phillip Scherer e Jiyoung Park, acreditam que a proteína COL6 pode vir a servir como alvo no tratamento do cancro da mama.
O cancro da mama é o mais comum entre as mulheres, representando quase 22% dos casos novos anualmente.
SAPO Saúde

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.