“O Zika afeta de forma desproporcionada aos pobres, que vivem em áreas com saneamento inadequado e cujas casas e locais de trabalho certamente não contam com ar condicionado e medidas para evitar os mosquitos”, disse Al-Hussein no seu discurso na reunião do Conselho dos Direitos Humanos da ONU, que começou sua segunda sessão regular do ano.

“Peço que se apliquem as medidas preventivas adequadas, incluindo os recursos financeiros adequados", acrescentou.

O responsável da ONU disse que é um dever dos governantes a prevenção das doenças.

Saiba também10 cuidados básicos ao viajar para países com Zika

Leia ainda: O drama dos bebés que são o rosto de uma epidemia

Leia aindaCampeão olímpico congela esperma por medo do vírus Zika

“Como aprendemos recentemente com o ébola, as emergências de saúde também se tornam em crises de direitos humanos”, declarou Al-Hussein.

O vírus da Zika está presente em 60 países e o Brasil o país mais afetado pela atual epidemia, tendo o país sul-americano registado mais milhão e meio de casos e mais de 1.400 bebés nasceram com microcefalia ou outras alterações do sistema nervoso associados ao vírus.

A Direção-Geral da Saúde em Portugal recomendou, a propósito do vírus Zika e dos Jogos Olímpicos, que decorrerão no Brasil, que as grávidas não devem viajar para este país e que, se os cônjuges o fizerem, devem depois usar preservativo.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.