“Ainda não estamos a cumprir o rácio para a nossa população e continuamos a trabalhar no sentido de aliciar novos colegas de anestesia para virem trabalhar para a Região Autónoma da Madeira”, afirmou Pedro Ramos, à margem da cerimónia de homenagem a 17 doutorados do Sesaram.

O governante sublinhou que esta é uma realidade semelhante à realidade nacional, como comprova o Censos 2017 de anestesistas recentemente publicado e que aponta que “cerca de um terço destes especialistas trabalham nos hospitais privados”.

As frases mais ridículas ouvidas pelos médicos
As frases mais ridículas ouvidas pelos médicos
Ver artigo

“As nossas dotações nesta especialidade ainda estão muito aquém das expectativas”, declarou.

Pedro Ramos salientou que o Sesaram tem trabalhado “no sentido de colmatar as lacunas nesta área” de várias maneiras: “tentando contratualizar, abrindo concursos para especialistas para virem imediatamente trabalhar para a Madeira e abrindo vagas para virem trabalhar na região”.

“Neste momento, temos uma boa relação com o Colégio de Especialidade de Anestesia e a Sociedade Portuguesa de Anestesia e continuaremos a trabalhar para que no mais curto período de tempo esta especialidade possa ter os rácios que a população exige”, sustentou o responsável da Saúde do arquipélago.

Pedro Ramos realçou que esta é presentemente a “área com maior carência no país e na região, porque a anestesia não se resume ao bloco operatório, é transversal a toda uma unidade de saúde hospitalar diferenciada”.

O governante destacou ainda o bom relacionamento institucional com a Universidade da Madeira, onde são lecionados, desde 2004, os dois primeiros anos do mestrado integrado em Medicina, associado ao Hospital de Santa Maria (Lisboa).

“Queremos progredir e ter aqui [Universidade da Madeira] o terceiro e o sexto ano”, anunciou.

Pedro Ramos também destacou a boa articulação existente entre a região e “todas as unidades do país”, que é o “resultado da confiança que os restantes hospitais têm para colocar os seus internos a fazerem formação” na Madeira, sendo necessário trabalhar para os médicos quererem ficar na ilha.

O hospital da Madeira, sublinhou, “está a enfrentar uma nova situação, fruto da instabilidade do Serviço Nacional de Saúde”, porque “o número de vagas não corresponde ao número de candidatos”.

“Temos colegas a querer saber quais as condições de trabalho na Madeira”, referiu.

No seu entender, há também um bom relacionamento do Sesaram com as diversas estruturas sindicais representativas dos 4.700 trabalhadores.

O Governo Regional prevê um investimento de 10 milhões de euros na área da saúde este ano.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.