As conclusões fazem parte da segunda edição do estudo "Jovens e educação sexual: conhecimentos, fontes e recursos" que, passados mais de 10 anos desde a primeira edição, em 2008, voltou a avaliar o impacto da escola e de outras fontes no conhecimento dos jovens.

Entre os 2.319 alunos do 10.º e 12.º anos de escolaridade que responderam ao inquérito conduzido entre fevereiro e junho de 2021, a maioria mostrou ter um nível de conhecimento bom ou muito bom sobre temas relacionados com a sexualidade (71,6%) e melhor ainda sobre sexualidade e sentimentos (84,6%).

No entanto, quando os investigadores olharam para os conhecimentos sobre contracetivos e infeções sexualmente transmissíveis, os resultados não foram tão positivos: Cerca de metade mostrou ter um nível de conhecimento médio e em quase um terço era mau.

88% dos rapazes inquiridos num estudo disseram ter usado preservativo na primeira relação sexual, uma queda de nove pontos percentuais relativamente a 2008.

Paradoxalmente, são precisamente dois dos temas mais frequentemente discutidos na escola, além das mudanças do corpo na adolescência e o risco de engravidar.

“Encaramos isso com alguma surpresa e preocupação”, disse em declarações à agência Lusa um dos coordenadores do estudo, Duarte Vilar, admitindo que o problema possa estar na forma como aquelas questões são abordadas em contexto escolar.

“Então ao nível das doenças sexualmente transmissíveis, os conhecimentos são realmente maus”, acrescentou, recomendando um reforço dos temas nos currículos e com uma abordagem mais médica, envolvendo os próprios alunos e a partir de um diagnóstico prévio dos seus conhecimentos.

Em sentido inverso, uma percentagem inferior disse ter conversado em pelo menos uma disciplina sobre temas como identidade de género, masturbação e homossexualidade.

Diferença entre rapazes e raparigas

Outra das conclusões destacada por Duarte Vilar é a diferença entre rapazes e raparigas. À semelhança daquilo que os investigadores tinham constatado no estudo realizado em 2008, elas voltam a ter níveis de conhecimento sobre sexualidade superiores e isso reflete-se noutros aspetos.

Por exemplo, as raparigas conversam mais sobre sexualidade e mais facilmente procuram ajuda para tirar dúvidas ou resolver algum problema, seja com amigos, pais ou profissionais de saúde.

“Estes temas são muito voltados para o feminino, são frequentemente dados por mulheres a raparigas e também há um mito de que os rapazes sabem mais sobre estas questões do que as raparigas”, explicou o investigador, defendendo uma espécie de “discriminação positiva dos rapazes”.

Entre as possíveis explicações, Duarte Vilar aponta ainda que “continua a haver muito a ideia de que o homem não deve pedir ajuda, que isso é uma fraqueza da sua masculinidade”.

Ainda assim, o investigador acrescenta que seja entre rapazes e raparigas, a maioria dos jovens não pede ajuda, nem fala com alguém quando tem dúvidas ou problemas (61,9% dos rapazes e 41,2% das raparigas). Quando o fazem, recorrem sobretudo aos amigos e às mães.

Sobre as fontes a que os jovens recorrem sobre questões relacionadas com a sexualidade, o investigador destaca ainda que, ao contrário do que seria expectável, praticamente são as mesmas que aquelas utilizadas pelos jovens de 2008, e se as redes sociais e a internet são hoje utilizadas para muita coisa, não é para procurar informação sobre estes temas.

Outra das tendências que se mantém uma década depois é, por outro lado, a correlação positiva verificada nos rapazes entre maiores níveis de conhecimento e idades mais tardias de início das relações sexuais.

“Vai um bocado contra aquele mito de que se falam de sexo nas escolas, mas depressa começam. Não é assim”, concluiu Duarte Vilar.

O "Jovens e educação sexual: conhecimentos, fontes e recursos", que está hoje a ser apresentado, foi desenvolvido pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (ICS-ULisboa), a Associação para o Planeamento da Família (APF) e o CLISSIS – Centro Lusíada de Investigação em Serviço Social e Investigação Social.

Veja ainda: Os 16 sintomas mais comuns de VIH/Sida

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.