O ministro do Ambiente e da Transição Energética pronunciou-se hoje que a interdição de banhos no Algarve como uma “medida de precaução”.

Em declarações à agência Lusa, Maria João Botelho, chefe da divisão de Oceanografia e Ambiente Marinho do instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), adiantou que foram feitas colheitas de bivalves nas praias entre a Ilha do Farol e Vilamoura, no Algarve, que foram interditadas devido ao aparecimento de uma maré vermelha.

Estas intoxicações alimentares podem matar
Estas intoxicações alimentares podem matar
Ver artigo

“Estamos perante uma maré vermelha que ainda não conhecemos qual é a espécie de fitoplâncton produtora desta maré vermelha. Sabemos que é dinoflagelado, que pode ser ou não produtor de toxinas. Por isso, o que o IPMA está a fazer neste momento são colheitas de águas e está a identificar as espécies de toxinas que podem surgir nos moluscos bivalves por acumulação e ver se existe eventual perigo para o consumo”, explicou Maria João Botelho do IPMA.

Maria João Botelho adiantou também que foram recolhidas amostras na Ria Formosa. De acordo com a especialista do IPMA, os resultados das análises só deverão ser conhecidos no final da semana.

Veja as fotos

Venda de bivalves poderá ser proibida

“O IPMA está a preparar-se para interditar preventivamente a zona ao consumo de bivalves. Se existirem realmente níveis de toxinas acima do limite regulamentar, o consumo de bivalves é perigoso”, disse.

Maria João Botelho indicou ainda que o IPMA “está a agilizar todas as amostragens e depois serão feitas as análises”.

Além do IPMA, também a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) fez colheitas de água na maré vermelha.

Na segunda-feira, o diretor regional da APA, José Pacheco, adiantou à Lusa que as praias entre a Ilha do Farol e Vilamoura, no Algarve, estão interditadas a banhos devido a uma concentração de uma alga marinha que pode ser perigosa para a saúde.

“Foi detetada no domingo uma densidade significativa de uma espécie de alga vermelha que pode ser perigosa para a saúde pública, tendo sido decidido, em conjunto com a autoridade de Saúde, desaconselhar os banhos numa vasta área entre a Ilha do Farol e Vilamoura”, disse.

Pequeno restaurante de praia sul-africano eleito o melhor do mundo
Pequeno restaurante de praia sul-africano eleito o melhor do mundo
Ver artigo

Segundo José Pacheco, “não é para já conhecida a espécie em questão, tendo sido recolhidas amostras para análises, cujo resultado só será conhecido dentro de alguns dias”. “Por precaução foi decidido solicitar à Autoridade Marítima Nacional a interdição de banhos nas praias algarvias onde se verifica uma maior densidade daquele organismo marinho que provoca uma mancha vermelha”, sublinhou.

O responsável regional da APA admitiu que outras praias podem ser afetadas nas próximas horas ou dias, uma vez que a mancha vermelha está a deslocar-se para o barlavento do Algarve, “verificando-se já uma concentração perto da praia da Rocha Baixinha, no concelho de Albufeira, estando a monitorização a ser feita em permanência”.

José Pacheco acrescentou que a interdição irá manter-se até que estejam asseguradas todas as condições de segurança para a saúde pública: “Não temos qualquer prazo previsto para que a situação fique normalizada”.

Por seu turno, fonte da Autoridade Marítima Nacional disse à Lusa que as praias começaram a hastear as bandeiras vermelhas no domingo, dia em que foi efetuado o alerta “a desaconselhar o banho de mar” por parte da entidade gestora do ambiente.

Divulgação de resultados da APA esperada hoje

Os resultados das análises às microalgas que na segunda-feira levaram as autoridades a interditarem a banhos vários praias algarvias deverão ser conhecidas hoje durante a tarde, estimou a Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

Num esclarecimento divulgado hoje na sua página de Internet, a APA refere que é "previsível que durante a tarde de hoje venham a ser conhecidos os resultados das análises efetuadas pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA)".

A mordedura destes 10 animais pode matá-lo em minutos
A mordedura destes 10 animais pode matá-lo em minutos
Ver artigo

Segundo a APA, a situação "continua a ser acompanhada" e os banhos foram desaconselhados "devido à presença em grande densidade de dinoflagelados (‘microalgas’) potencialmente prejudiciais para a saúde humana", lê-se na nota.

Inicialmente, no domingo, a restrição foi imposta apenas na praia de Faro, mas a "mancha" de microalgas deslocou-se para oeste e a restrição foi estendida, já na segunda-feira, a toda a faixa entre as praias de Faro e da Rocha Baixinha, no concelho de Albufeira, em que se incluem também todas as praias de Vilamoura (concelho de Loulé).

A decisão foi tomada pela APA, através da Administração da Região Hidrográfica (ARH) do Algarve, em articulação com a Autoridade de Saúde e a colaboração da Universidade do Algarve.

Na nota publicada hoje, a agência remete mais informações sobre o desaconselhamento a banho nas praias abrangidas para depois de serem conhecidos os resultados.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.