No final de abril, as autoridades encerraram duas criações de visons no sul da Holanda depois de descobrirem que havia animais infetados com o coronavírus SARS-CoV-2.

Os cientistas compararam o código genético do vírus encontrado nos visons com o de um paciente e criaram a "árvore genealógica" para rastrear a mutação, explicou a ministra da Agricultura holandesa, Carola Schouten, numa carta enviada ao Parlamento.

A mordedura destes 10 animais pode matá-lo em minutos
A mordedura destes 10 animais pode matá-lo em minutos
Ver artigo

Os resultados levaram à conclusão de que "é possível que um dos funcionários tenha sido contaminado pelos visons", segundo Schouten.

A ministra minimizou o medo de que haja outros casos de contágio de animal para homem e explicou que as amostras de ar e partículas de poeira analisadas fora dos locais onde os visons são mantidos não continham traços do vírus.

O governo, no entanto, adotou novas medidas e proibiu, por exemplo, visitas a quintas onde houve casos de contaminação.

O governo também vai obrigar que se façam testes de diagnóstico em todas as criações de visons do país, onde a COVID-19 matou 5.715 pessoas e contaminou pelo menos 44.249.

A criação de visons para a comercialização de peles é um tema polémico na Holanda. Em 2016, a instância judicial mais importante do país ordenou o encerramento desta indústria até 2024.

Mais de cinco milhões de casos de contágio pelo novo coronavírus foram oficialmente declarados em todo o mundo, sendo que 70% correspondem à Europa e aos Estados Unidos, de acordo com uma contagem da agência France Presse, até às 07:30 de hoje.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Veja o vídeo: Como é que o vírus passou de animais para humanos?

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.