Desde o início da pandemia, foram detetados apenas casos isolados de bebés infetados com coronavírus.

Investigadores analisaram os dados de 31 mulheres internadas devido por causa do SARS-CoV-2 e detetaram a presença do vírus na placenta, cordão umbilical, vagina e leite materno.

Nutricionista indica que mulheres grávidas não devem comer estes 10 alimentos
Nutricionista indica que mulheres grávidas não devem comer estes 10 alimentos
Ver artigo

Identificaram também os anticorpos específicos da COVID-19 nos cordões umbilicais de várias mulheres, assim como em amostras de leite.

Claudio Fenizia, da Universidade de Milão e autor principal do estudo, declarou que os resultados são "provas sólidas" que  "sugerem em grande medida" que a transmissão no útero é possível, embora seja "muito cedo para avaliar o risco e as possíveis consequências".

Nenhum dos bebés nascidos durante o período do estudo apresentou um resultado positivo para a infeção que causa a COVID-19, afirmou o investigador.

Todas as mulheres que participaram no estudo estavam no terceiro trimestre de gravidez, segundo Fenizia, que pediu à comunidade científica que considere este assunto como "urgente" e aprofunde a pesquisa.

A Organização Mundial da Saúde disse no mês passado que mães infetadas com a COVID-19 devem continuar a amamentar.

"Sabemos que as crianças correm um risco relativamente baixo de COVID-19, mas estão em alto risco de inúmeras outras doenças e condições que a amamentação impede", disse o chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Vídeo - Como fazer uma máscara a partir de um lenço ou bandana?

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.