Os presidentes de câmara do Distrito de Bragança denunciaram ontem o cancelamento de dezenas de consultas e exames a doentes da região devido à dispensa, no início do ano, de técnicos nos centros de saúde.

No centro de saúde de Alfândega da Fé foram canceladas 30 consultas de podologia e 40 exames de cardiopneumologia estão em lista de espera, enquanto que em Freixo de Espada à Cinta oito crianças ficaram sem terapeuta da fala, segundo os autarcas locais, Berta Nunes e José Santos, eleitos pelo PS.

A situação repete-se por outros centros de saúde da região e já motivou três reuniões dos presidentes de Câmara que denunciaram ontem em conferência de imprensa o que classificam de uma “situação dramática” para a população e que "necessita de uma solução urgente".

O autarca de Mogadouro, o social-democrata Moraes Machado, fala mesmo em “desumanidade”.

“Temos um Governo frio e despido de tudo o que é humanidade”, afirmou, reiterando que “é um problema de frieza encarar estes problemas da saúde como se fossem apenas cifrões”.

O Distrito de Bragança é dos mais envelhecidos do país com a população dispersa por um vasto território e onde, dos 12 concelhos, apenas três, os maiores (Bragança, Mirandela e Macedo de Cavaleiros) têm hospitais com cuidados diferenciados.

Numa altura em que o Ministério da Saúde anuncia a intenção de reforçar os cuidados primários, os centros de saúde desta região perderam, com a não renovação de contratos de prestação de serviços a cerca de 20 técnicos, valências que nos últimos anos evitaram deslocações às populações e fizeram das unidades transmontanas referências nacionais.

Para o presidente da Câmara de Vinhais “destruiu-se em dias uma luta de anos”.

Os profissionais dispensados são podologistas, fisioterapeutas, nutricionistas, técnicos de ação social, dentistas, entre outros técnicos que evitavam aos doentes deslocações para a realização de exames como eletrocardiogramas ou uma consulta do pé diabético.

O centro de saúde ficou também sem um médico, deixando os cerca de três mil habitantes do concelho com apenas dois médicos de família e a assegurar a consulta aberta e o funcionamento de extensões de saúde, segundo o autarca local, o socialista José Santos.

Os autarcas admitem tomar “outro tipo de medidas”, mas continuam à espera de resposta ao pedido de audiência ao Ministério da Saúde.

Com o impasse na nomeação da Unidade Local de Saúde do Nordeste, criada há quase um ano e ainda sem administração, a Administração Regional de Saúde do Norte a 200 quilómetros, no Porto, e sem resposta do Ministério da Saúde, os autarcas queixam-se de não conseguirem um interlocutor com quem falar.

“Nem por parte da tutela, nem por parte dos nossos representantes políticos da região que ou não ouvem ou não querem fazer-se ouvir”, afirmou o presidente da Câmara de Vinhais, o socialista Américo Pereira.

18 de janeiro de 2012

@Lusa

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.