Segundo um comunicado de imprensa, o contrato em vista com a BioNTech-Pfizer prevê uma compra inicial de 200 milhões de doses, mais uma opção de compra de mais 100 milhões de doses, a serem fornecidas assim que uma vacina tenha provado ser segura e eficaz contra a covid-19, e ainda a possibilidade de todos os Estados-membros a adquirirem.

A BioNTech-Pfizer é a sexta empresa com a qual a Comissão concluiu conversações, após a Sanofi-GSK a 31 de julho, Johnson & Johnson a 13 de agosto, CureVac a 18 de agosto e Moderna a 24 de agosto.

O primeiro contrato, assinado com a AstraZeneca, entrou em vigor a 27 de agosto, tendo, entretanto, a biofarmacêutica suspendido os testes da fase final da vacina que está a desenvolver contra a covid-19, em parceria com a Universidade de Oxford, após uma suspeita de reação adversa séria num participante do estudo.

A informação foi avançada na noite de terça-feira pelo 'site' de informação especializado em saúde Stat News e depois confirmada pela própria farmacêutica, num comunicado enviado ao canal televisivo norte-americano CNN.

“Como parte dos testes globais controlados e randomizados em andamento da vacina de Oxford contra o coronavírus, o nosso processo de revisão padrão desencadeou uma pausa na vacinação para permitir a revisão dos dados de segurança”, indicou a companhia em comunicado.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 893.524 mortos e infetou mais de 27,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.