No final da reunião, por videoconferência, com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a propósito do decreto presidencial de renovação do estado de emergência, Catarina Martins adiantou que o partido mantém o posicionamento que tem tido até agora e por isso não se opõe a que este seja renovado por um novo período de 15 dias.

“Esperamos que seja possível manter o desconfinamento, que os números continuem numa rota de controlo. É isso que esperamos, que idealmente que este seja o último estado de emergência pelo menos nesta fase”, avisou.

Para a líder do BE, “sendo possível avançar com o desconfinamento, não tem sentido que o estado de emergência se prolongue indefinidamente”, já que esta solução representa “o sinal vermelho” quando há uma necessidade de recuo nas medidas.

Questionada diretamente sobre se os bloquistas se opõem à ideia já defendida pelo Presidente da República e secundada pelo primeiro-ministro de que o estado de emergência deve manter-se até ao final do atual desconfinamento gradual, ou seja, até maio, Catarina Martins foi perentória: “nós achamos que se tivermos condições para continuarmos a desconfinar não tem sentido que todo esse periodo seja em estado de emergência”.

“No passado já fizemos um desconfinamento bem sucedido sem estado de emergência. Não se deve tornar o estado de emergência a forma normal da nossa democracia funcionar porque isso é uma deturpação”, enfatizou.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.