Um homem de 41 anos deu entrada num hospital na cidade de Zhenjiang, no leste, a 28 de abril, apresentando febre, e foi diagnosticado com H10N3 um mês depois, declarou a Comissão Nacional de Saúde chinesa (NHC) em comunicado.

"O risco de uma propagação em grande escala é extremamente baixo", afirmou a mesma fonte.

O homem encontra-se em condição estável e os seus contactos estreitos não registaram "anormalidades", acrescentou a Comissão.

O organismo classificou o H10N3 como sendo um agente patogénico com baixa probabilidade de causar morte ou doença grave.

Segundo a NHC, não se tinha registado no mundo até agora qualquer contágio humano de H10N3.

Na China, foram detetadas várias estirpes de gripe aviária em animais, mas em pessoas é pouco comum.

A última epidemia de gripe aviária no gigante asiático foi no final de 2016 e 2017, com o vírus H7N9.

O H7N9 contaminou 1.668 pessoas e causou a morte de 616 desde 2013, segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

A COVID-19 foi detetada pela primeira vez num mercado de comida e animais em Wuhan, no centro do país, no final de 2019. Desde então, deixou mais de 3,5 milhões de mortos no mundo.

Os 12 vírus mais letais do mundo

Vídeo - Coronavírus: como passou de animais para humanos?

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.