"Vivo uma paixão daquelas", disse à agência Lusa a nadadora de Matosinhos que, no Complexo de Piscina de Águas Santas, na Maia, aproveita o facto de ser viúva e "nem ter nada" que a "preocupe" para, dentro de uma piscina, três dias por semana, se envolver com o que mais gosta: a água.

Os 10 melhores e piores desportos para a coluna vertebral
Os 10 melhores e piores desportos para a coluna vertebral
Ver artigo

E se a entrada na piscina surgiu um ano depois de ter começado a "fazer ginástica para ficar mais flexível", procurando "simplificar" os problemas que "o facto de ter uma profissão muito parada" anunciavam, a adoração pela água vem-lhe desde a infância, conta.

Com os olhos arregalados, Alice Quintela, de 80 anos, relatou ter "sido habituada a ir para a praia cedo e a banhar-se logo às oito horas da manhã".

A história que se segue já tem 30 anos, mas a nadadora do Clube de Natação da Maia recorda cada passo do que foi o processo "mais difícil" na vontade de abrir horizontes na piscina: federar-se.

Alice Quintela em ação nas piscinas da Maia

"A minha médica de família recusou-se a preencher o impresso" que atestava a sua condição física para praticar desporto, lembrou Alice Quintela que, sem tempo para baixar os braços, entrou num contrarrelógio para conseguir a tempo a declaração médica para juntar ao processo a entregar na Federação Portuguesa de Natação.

Entre sorrisos, contou ter recorrido ao antigo médico de família a quem, "depois de muita conversa", convenceu a passar os exames, acabando por ser aquele, "a dois dias do prazo para a inscrição encerrar, a assinar o impresso".

10 alimentos que lhe devolvem anos de vida
10 alimentos que lhe devolvem anos de vida
Ver artigo

"Ele ainda me alertou da morte recente de um futebolista de 23 anos, mas eu argumentei que a minha prova é de um minuto e tal enquanto o futebolista joga uma hora e meia", recordou a recordista do escalão L, destinada a atletas de ambos os sexos entre os 80 e 84 anos.

Competindo nos estilos livre e costas, nas distâncias de 50 e 100 metros, tendo também já nadado os 200 metros livres, ao todo, contou à Lusa, tem "oito recordes nacionais em piscina curta e cinco em piscina longa".

Alice Quintela, que "durante o dia não para", assume que as 24 horas "não chegam para fazer tudo o que quer".

E já com uma experiência de 30 anos a competir, Alice Quintela aconselha a sua geração e as anteriores a "mudar a sua mentalidade", argumentando que "muitas das pessoas não sabem o que é a natação".

"Não há nada que substitua a natação. É preciso gostar, ser assídua e persistente para aprender", disse de uma "força de vontade" que deve superar o "pensar nos cabelos e na pintura [maquilhagem]".

Muito mais jovem, Ana Oliveira, a treinadora, garantiu à Lusa que aprender a nadar na terceira idade não é problema: "isto é uma realidade, de mito não tem nada. Em qualquer altura da vida podemos aprender a nadar como é o caso da Dona Alice, que aprendeu aos 50 anos".

Da sua aluna com idade mais avançada elogiou "um espírito muito aberto", o facto de que "nada a impede de chegar aos objetivos que define e estipula", considerando ser essa é a "grande vantagem": "quer e faz".

Reconhecendo ser o seu exemplo uma "gota de água numa piscina" se comparada com o panorama nacional naquela faixa etária, Ana Oliveira considerou-o "reflexo de uma cultura desportiva que em Portugal ainda falta um bocadinho ganhar".

A caminho dos 81 anos, Alice Quintela, segundo a treinadora que a ensina no Complexo de Piscinas de Águas Santas, "tem potencial para melhorar os seus tempos", bastando, para tal, aprimorar a "nível técnico".

"Espero tê-la muitos mais anos como minha atleta", disse, reconhecendo um aliado na "vontade" da octogenária de alimentar a sua atração infantil pela água.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.