No G Pousada, projeto que os irmãos Óscar e António Gonçalves abraçaram, em 2014, na Pousada de São Bartolomeu, em Bragança, as brigadas da cozinha e da sala duplicaram no último ano para responder à procura.

Será que é desta que chegamos às três estrelas Michelin? Nas nossas apostas, somos generosos
Será que é desta que chegamos às três estrelas Michelin? Nas nossas apostas, somos generosos
Ver artigo

Os telefones da pousada não pararam na noite de 21 de novembro do ano passado, quando o G Pousada recebeu a primeira estrela do Guia Michelin Espanha e Portugal, relataram à Lusa, afirmando que passaram a receber clientes de todo o mundo.

A quem os visita fazem questão de mostrar produtos regionais, como o cuscuz de Vinhais, dos azeites aos vinhos ou às facas, cujos cabos são feitos das hastes de veado que caem todos os anos.

Em 2018 foram estes os restaurantes galardoados com as estrelas Michelin para 2019:

25 restaurantes

32 estrelas

Duas estrelas:

Alma - Henrique Sá Pessoa (Lisboa) - Novo em 2019

Belcanto - José Avillez (Lisboa)

Ocean – Hans Neuner (Alporchinhos)

Vila Joya – Dieter Koschina (Albufeira)

The Yeatman – Ricardo Costa (Vila Nova de Gaia)

Il Gallo D´Oro – Benoit Sinthon (Funchal)

Uma estrela:

A Cozinha/António Loureiro (Guimarães) - Novo em 2019

Antiqvvm - Vítor Matos (Porto)

Bon Bon – Louis Anjos (Carvoeiro)

Casa de Chá da Boa Nova - Rui Paula (Leça da Palmeira)

Eleven – Joachim Koerper (Lisboa)

Feitoria  - João Rodrigues (Lisboa)

Fortaleza do Guincho (Cascais)

Gusto -Heinz Beck (Almancil)

G. Pousada/Óscar Gonçalves e António Gonçalves (Bragança) - Novo em 2019

Henrique Leis - Henrique Leis (Almancil)

Lab by Sergi Arola – Sergi Arola (Sintra)

L'And Vineyards – Miguel Laffan (Montemor-o-Novo)

Largo do Paço – Tiago Bonito (Amarante)

Loco – Alexandre Silva (Lisboa)

Midori/Pedro Almeida (Sintra) - Novo em 2019

Pedro Lemos – Pedro Lemos (Porto)

São Gabriel – Leonel Pereira (Almancil)

Vista - João Oliveira (Praia da Rocha)

William – Luís Pestana (Funchal)

Willie's   - Willie Wurger  (Quarteira)

“Temos sempre elementos sazonais da nossa região. Não faria sentido de outra forma porque quem vem a Trás-os-Montes quer provar Trás-os-Montes”, comentou Óscar Gonçalves.

O ‘chef’ compara o sentimento de receber a distinção do ‘guia vermelho’ com a de ser pai: “Uma sensação de alegria e ao mesmo tempo de impotência. Quando nasce um filho pensamos, 'será que nós vamos conseguir ser bons pais e criá-lo'? E aqui foi a mesma coisa, 'será que eu vou conseguir manter'?”.

Uma sensação que rapidamente ultrapassou: “Continuámos e mudámos cartas e estamos a avançar e a aprender todos os dias (…). Conseguimos, agora temos que manter e lutar para mais”, descreveu.

Óscar Gonçalves não esconde que um dos principais motivos de satisfação é o de ter conquistado a estrela para Bragança, pela primeira vez.

“Neste cantinho do país, tão perto da Europa e tão longe de Lisboa, conseguimos mostrar que somos capazes e que temos produtos de qualidade”, afirmou.

Outro ‘chef’ que se orgulha de um feito inédito é Pedro Almeida, que alcançou a primeira estrela em Portugal para um restaurante asiático, o Midori, em Sintra.

“É um marco na história. Já ninguém nos tira”, disse.

No Midori, o restaurante japonês mais antigo em Portugal, Pedro Almeida aprofundou o conceito dos menus de degustação de cozinha japonesa, para o qual percebia que havia um público cada vez mais interessado.

“Nós não queremos fazer aqui um misto de cozinha japonesa com cozinha portuguesa. Nós queremos fazer cozinha japonesa, mas onde nós contamos as histórias da nossa infância, explicamos os nossos produtos, aquilo que nós fazemos cá em Portugal e, portanto, tem aqui muito de nós, de Portugal, neste menu”, explicou à Lusa.

Sobre as principais mudanças que notou no último ano, Pedro Almeida disse que “a equipa ficou mais forte”, por terem conseguido “alcançar todos juntos um objetivo”, e ganhou “mais confiança para fazer menus novos, para criar pratos novos e (…) ainda mais arrojados e interessantes”.

Mas Pedro Almeida garante que não sentiu mais pressão: “Nós tínhamos a mesma pressão antes de ganhar uma estrela que temos hoje em dia. (...) Para nós, [os clientes] são todos inspetores [do guia]”.

Os clientes duplicaram e a novidade é que agora há “muitos, muitos mais portugueses”.

Foi também o mercado interno que, inicialmente, mais aumentou no restaurante A Cozinha, em Guimarães, afirmou à Lusa António Loureiro.

“A Michelin é uma marca muito forte, que chega a todos os cantos do mundo e há pessoas que vêm diretamente da Dinamarca, Suécia, Bruxelas ou Taiwan”, exemplificou o ‘chef’, há pouco mais de três anos à frente do projeto.

Um ano depois, António Loureiro considera que aumentou a pressão, até pela consciência de que há visitantes que só se deslocam a Guimarães por causa do restaurante.

“Passámos a sentir que realmente as pessoas lá fora têm uma expectativa muito grande em relação ao que é o restaurante e ao que é isto das estrelas Michelin”, admitiu.

De resto, garantiu, não houve grandes alterações na sua cozinha: “Não mudámos muita coisa. Tínhamos consciência do trabalho que tínhamos a fazer, ganhámos uma estrela porque estávamos a fazer bem”.

A Cozinha oferece uma gastronomia tipicamente portuguesa, “não só no produto, como no receituário e na própria tradição”.

“Temos sempre em todos os pratos muita ligação à terra, àquilo que é a nossa cultura gastronómica”, descreveu, explicando que há uma preocupação em “equilibrar” alguns dos “pecados” da cozinha portuguesa e torná-la “mais atrativa e mais moderna, mas também mais moderada”.

“A nossa cozinha tem muita gordura, muito sal, muito açúcar, muitos hidratos, muita proteína. Aquilo que as pessoas procuram, mais do que se alimentarem em quantidade, é alimentarem-se em qualidade e ter uma experiência diferente”, defendeu.

Sobre a edição ibérica do Guia Michelin de 2020, que será conhecida esta quarta-feira, nenhum ‘chef’ arrisca grandes prognósticos.

Todos esperam manter a distinção no próximo ano e afastam a possibilidade de receber a segunda estrela para já. Por enquanto, dizem, há que consolidar o trabalho.

Óscar Gonçalves resume bem o sentimento da classe: “Só peço que o Guia seja generoso para Portugal, porque quantos mais formos mais peso temos, mais capacidade temos e o roteiro maior se torna neste pequeno canto na Europa”.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.