“Os consumidores continuam preocupados com aumento dos preços, mas tendencialmente estão a mudar o enfoque nos custos para o cuidado com o que ingerem, preferindo alimentos com ingredientes e preparados para cuidar da sua saúde”. Esta é uma das conclusões que a consultora internacional Innova Market Insights, a convite da PortugalFoods, entidade gestora do cluster do setor Agroalimentar nacional, apresentou recentemente no seminário “Trends 2024”.

Outra das tendências observadas nos consumidores é a de que “estão cada vez mais focados em selecionar produtos alimentares de marcas que, no seu processo produtivo, tenham preocupações com o ambiente. Ou seja, não procuram apenas produtos baratos, mas alimentos pensados para impactarem positivamente o melhor de dois mundos: o corpo e o planeta”, identifica a mesma fonte.

De acordo com o mesmo trabalho, “num contexto em que os consumidores pretendem cuidar de si, a indústria deve, no seu portefólio de produtos e na sua comunicação, realçar a presença de determinados ingredientes”. Isso mesmo fica patente na primeira das dez grandes tendências que vão impactar o setor agroalimentar no curto e médio prazo:

1. Ingredientes-estrela

São o fator decisivo na escolha dos consumidores na hora da compra, com a proteína a ser o ingrediente mais procurado. Cerca de um terço dos consumidores, em todo o mundo, dizem que procuram sempre informação sobre os ingredientes presentes nos rótulos das embalagens. Cerca de 42% dos inquiridos referem que a “proteína” é o ingrediente mais relevante, visto como essencial para uma melhor gestão do corpo e do peso. Esta procura do ingrediente essencial – que a indústria deve comunicar abertamente nas embalagens e na promoção dos produtos – é geracional: se as novas gerações procuram proteína e minerais, as mais velhas querem produtos com vitaminas, fibras ou Ómega-3.

2. Nutrir a natureza

Os consumidores pretendem que as marcas sejam mais pró-ativas e vão além do “chavão” da sustentabilidade. Querem garantias de que estão a tomar ações concretas que protejam o ambiente e a natureza e, por isso, procuram produtos que usem menos água, protejam as florestas ou utilizem apenas energias renováveis no seu processo produtivo. A implementação de bioengenharia e de tecnologia para criação de variedades mais adaptadas, que necessitem de menos recursos e promovam uma agricultura de precisão que seja mais “amiga do ambiente”, é apreciada, da mesma forma que afirmações da utilização de agricultura regenerativa ou biodinâmica são extremamente positivas para os consumidores.

3. Priorizar a prevenção

Mais de um terço dos consumidores pretendem ser pró-ativos na gestão da sua saúde– mostrando, antes de mais, preocupações com a gestão do peso, mas também com a saúde do coração, dos ossos e das articulações. A indústria, por isso, deve procurar conhecer ao máximo os seus públicos-alvo e definir as mensagens de acordo com as principais preocupações de saúde que cada um demonstra: se Baby Boomers, os consumidores preocupam-se, sobretudo, com a saúde cardíaca, e têm foco no envelhecimento saudável e na mente sã; já os da Geração X colocam a questão da gestão do peso no topo das suas prioridades; por seu turno, os Millenials e Gen Z mostram preocupações com o seu sistema imunitário, preferindo também produtos positivos para a sua pele e que lhes proporcionem energia e vitalidade – sem nunca colocar de lado, aquelas que são prioridades comuns a todas as gerações: a gestão do peso e a saúde do coração.

4. Produtos de origem vegetal: alargar a oferta

Esta tendência, apontada já em 2023, os alimentos à base de plantas sobem claramente de posição na lista de tendências: se, antes, era apenas pensado para o nicho vegan, há espaço para alargar a base de consumidores, uma vez que estes começam a ver nestes produtos uma forma de diversificarem a sua dieta. Mais de metade dos consumidores expressam também o desejo de experimentar versões plant-based de culinária tradicional e local, com a indústria a responder com a oferta de refeições prontas em formatos acessíveis e simples – incluindo, por exemplo, finger food, snacks, mas também refeições principais.

5. Local torna-se global

Os consumidores estão abertos a novas experiências. Mais de dois terços dos inquiridos dizem-se disponíveis para experimentar e incluir nas refeições do dia a dia sabores do mundo. E metade dos mais jovens querem mesmo provar e cozinhar refeições de zonas distantes do planeta. No entanto, a preocupação com o ambiente e com os produtos locais mantém-se. Os clientes preferem produtos produzidos nos seus próprios países, valorizando quem apresenta essas opções, mesmo para pratos tradicionais de outras geografias.

6. Heróis na cozinha

Durante a pandemia, muitos consumidores puderam dedicar mais tempo à cozinha e a criatividade culinária floresceu. Aproveitaram para consumir produtos mais saudáveis e, ao mesmo tempo, que lhes permitissem economizar no custo das refeições. Com a inflação crescente, essa tendência mantém-se no pós-pandemia, seja pelas marmitas saudáveis e económicas, seja por “a casa” se ter tornado num espaço mais acolhedor, onde se convive e se partilha a paixão por produtos, técnicas de cozinha e experiências gastronómicas. As novas tendências passam pelo lançamento de kits com ingredientes para desenvolver determinados tipos de culinária (japonês, coreano, mexicano) ou por produtos pré-confecionados que recriam pratos e bebidas habitualmente consumidos na restauração.

7. Indulgência saudável

Mais uma vez, uma tendência que junta o melhor de dois mundos num único conceito: os consumidores pretendem que os snacks e aqueles produtos que lhes transmitem conforto – bolachas, produtos de pastelaria, chocolates, gelados, refrigerantes, entre outros – sejam feitos com ingredientes “saudáveis”, adicionando probióticos, prebióticos, antioxidantes, cálcio, fibras naturais; substituindo ou reduzindo açúcares refinados; usando fórmulas e declarações “sem álcool”, etc.

8. Oceanos de possibilidades

Os oceanos vão ser as quintas do futuro, usando processos produtivos mais sustentáveis, e os produtos de origem marinha vão entrar na alimentação regular. Os lançamentos de alimentos e bebidas com microalgas, por exemplo, aumentaram mais de 42%, em termos acumulados, entre 2020 e 2023. Seja pelo sabor, seja pelo crescimento da dieta vegan, pelas excelentes características nutricionais ou pelas declarações de sustentabilidade, as algas entraram no dia a dia dos consumidores.

9. H2O: diversificar o futuro

Outra das tendências que conjuga saúde e alimentação passa pelo enfoque dos consumidores na hidratação. As bebidas e os ingredientes que antigamente estavam confinados aos desportos e aos ginásios – eletrólitos, isotónicos e bebidas de frutas antioxidantes – saltaram para as prateleiras dos supermercados. A preocupação com o envelhecimento saudável criou um mercado onde águas com adição de nutrientes e as suas características únicas (como, por exemplo, as águas alcalinas) são muito valorizadas pelos consumidores. A necessidade de se manter hidratado fará, igualmente, aumentar o mercado das águas com sabores – já existente –, mas agora mais concentrado em adicionar nutrientes e vitaminas a essa oferta.

10. Minimizar o ruído

A transparência e a honestidade na informação nutricional são fulcrais para os novos consumidores, numa era de desinformação. Metade referem recear que as marcas os enganem na sua comunicação. Por isso, preferem que as embalagens sejam claras, com um bom conteúdo e sem conteúdos e elementos visuais exagerados.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.