Tem a história este encanto, a de se imiscuir em todos os recantos da nossa existência, mesmo aqueles que repetidamente frequentamos sem nos perguntarmos o quando, onde e o porquê. É indiferente se encontramos essa mesma história num singelo bife, num pastel de bacalhau ou numa soberba catedral. O trunfo para tornar esta história numa boa jornada de memórias, está quase sempre em quem a narra, tornando apetitosos os episódios.

Isso mesmo, uma história de capítulos deliciosos é a que nos é servida à mesa de um histórico nas cervejarias da capital, a Trindade. A casa já ultrapassou os 180 anos de vida, enquanto espaço de labor de cerveja, quer como fábrica, quer mais tarde como cervejaria. Contudo, sabendo como sabemos que tudo é um encadear de causas e consequências, não há como dissociar o edifício e a história da Trindade do contexto onde se insere.

Lisboa: No antigo convento que resgatava cativos dos piratas nasceu a primeira fábrica de cerveja
Sala Keil nos anos de 1940. créditos: Cervejaria Trindade

Por isso mesmo marcamos encontro com Anísio Franco, historiador e conservador no Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa. É com este homem de discurso escorreito e gesto amplo que olhamos para a fachada do número 20C da Rua Nova da Trindade, para imaginarmos neste pedaço de capital, onde hoje abre portas a Cervejaria Trindade, uma outra geografia urbana, um outro mundo. O convite é para mergulharmos perto de 700 anos na nossa história.

Esqueçamos, pois, por momentos, o Bife à Trindade, regado com o molho da casa, a batata frita, o ovo e esparregado a acompanhar; o Bacalhau à Santo Ofício, as amêijoas à Bulhão Pato e a miríade de marisco que encontramos no menu. Anísio Franco vai servir-nos um outro elenco. Não faz parte da ementa, mas chega-nos em dose bem servida.

Vai ao barbeiro e à livraria? Aproveite para beber uma cerveja
Vai ao barbeiro e à livraria? Aproveite para beber uma cerveja
Ver artigo

Situemo-nos nas palavras do Historiador, autor, entre outros do livro “Lisboa Desconhecida e Insólita” (Porto Editora) e posicionemo-nos no século XIII. Limpemos do cenário o alcatrão, a calçada portuguesa, o bulício do trânsito e construamos o edificado da época.

“A cervejaria ocupa parte daquilo que foi o Convento da Santíssima Trindade dos Frades Trinos da Redenção dos Cativos, datado de finais do século XIII e que mereceu, já no século XIV o impulso da Rainha Santa Isabel [Isabel de Aragão], mulher do rei D. Dinis”, refere Anísio Franco.

Porquê convento da Redenção dos Cativos, perguntamos. “Porque tinha como missão resgatar os prisioneiros dos piratas do Norte de África. Identificavam onde aqueles estavam cativos e arranjavam meios para os resgatar”, refere o nosso interlocutor.

Sabendo da conturbada história geológica da capital, não será difícil antever que em sete séculos de cronologia caibam alguns dissabores no que toca a construção, destruição, reconstrução de um edificado localizado numa “colina complicada” de Lisboa.

“Tenho dúvidas que a expressão `Cai o Carmo e a Trindade`, tenha nascido só depois do Terramoto de 1755. Sabemos que a Capela Mor do Carmo cai pelo menos duas vezes antes dessa data. À terceira reconstrução o rei ordena que se edifique com estrutura reforçada. De tal ordem que não vai cair com o abalo do século XVIII, assim como a biblioteca e o refeitório”, onde atualmente se situa uma das salas principais da Cervejaria.

Lisboa: No antigo convento que resgatava cativos dos piratas nasceu a primeira fábrica de cerveja
Atualmente ainda são visíveis alguns dos arcos dos antigos claustros em grande parte destruídos.

“A grande tragédia não foi o Terramoto de 1755”

Já no século XIX “dá-se, então, aquela que para mim é, sim, a grande tragédia. Não o Terramoto ou as Invasões Francesas, mas a extinção, em 1834, das Ordens Religiosas”.

“Isto no decurso da Guerra Civil Portuguesa [1828-1834] em que saem vitoriosos os Liberais. A Burguesia endinheirada quer o património edificado para si”. Neste particular, Anísio Franco cita o escritor Almeida Garrett nas suas “Viagens da Minha Terra”: “O Barão comeu o Frade”.

É neste contexto histórico que se começa a escrever a história concreta da Trindade. Já não o Convento que foi durante séculos mas um edificado heteróclito, numa cidade diferente e numa sociedade também diferente.

Anísio Franco chama-nos a atenção para a rua de média largura que atravessa todo este quarteirão onde antes de instalava o Convento. “Esta é uma artéria que não existia. Aqui mesmo onde passam atualmente os automóveis era o edificado do Convento da Trindade. Por isso lhe chamamos Rua Nova da Trindade”. Também as fachadas tal como as vemos atualmente são uma criação do século XIX.

“A fachada está decorada com os restos dos azulejos do antigo edifício. Uma exibição de fartura e futilidade”, acrescenta o historiador, “acaba por ser uma amálgama de azulejos. Nunca um azulejista do século XIX faria isso”.

Na época, um empreendedor industrial galego movimentava-se por Lisboa. Chamava-se Manoel Moreira Garcia e em 1836 acaba por adquirir parte das ruínas do antigo convento. Ai, vai instalar a sua fábrica de cervejas [a primeira em Portugal].

O negócio de Manoel Moreira prospera e acaba por abrir um balcão de cerveja a copo. Mais tarde uma cervejaria composta por quatro salas e um pátio. Em 1854 torna-se a Trindade fornecedora oficial da Casa Real.

Lisboa: No antigo convento que resgatava cativos dos piratas nasceu a primeira fábrica de cerveja
Sala Keil, onde sobressaem os painéis elaborados com calçada portuguesa.

Uma história onde não faltam muitos azulejos

Do exterior desta Trindade do século XXI, transitamos para o interior da cervejaria e “retomamos o fio à meada: “Volvidos quase dez anos sobre a data em que recebeu a benesse real, em 1863, Manoel Moreira, encomenda uma nova decoração com revestimento de azulejo”.

“Quem os vai pintar é o `Ferreira das Tabuletas` que fazia reclames, como ainda vemos nas fachadas, por exemplo de farmácias”, refere o historiador.

Sublinhe-se que “a tradição azulejar estava a desaparecer em Portugal fruto da golpada da Revolução Liberal e saída da Nobreza para o Brasil com a família real.  É esta Burguesia que vai retomar a tradição através da fábrica Viúva Lamego. O azulejo passa a ter um vocabulário muito próprio e tem de ser encontrada uma nova iconografia, contextualizada com a época”.

Estamos na sala contígua à da porta da rua do estabelecimento, ornada com um aparatoso conjunto de azulejos. “Manuel Moreira queria fazer parte do exclusivo grupo de membros da maçonaria, algo que nunca conseguiu. Quis impressionar e pensa-se que o facto de ter encomendado painéis de azulejos com forte iconografia maçónica tenha obstado a isso”. Uma das regras da instituição é a discrição e um membro com uma pegada tão marcada em local público não serviria esse interesse.

Cervejaria Trindade
Antigo refeitório do Convento da Trindade. Realce para os painéis de azulejos onde estão representadas as estações do ano. créditos: Cervejaria Trindade

“O segundo grande investimento que Manoel Moreira faz é nesta segunda sala [a do antigo Refeitório do Convento]”. Chamemos-lhe a Sala das Estações do Ano onde as mesmas estão representadas, uma vez mais, em robustas peças de azulejos. Para além da evocação feminina às diferentes estações do ano, há elementos naturais com toques de orientalismo e as inevitáveis alusões ao Comércio e Indústria, produtos da nova era portuguesa. “O ecletismo é uma das marcas do século XIX”, sublinha Anísio Franco.

Continuamos esta viagem Trindade adentro, tendo como destino o âmago da cervejaria. Chegamos à terceira sala, onde em tempos se situava a Capela. Momento para um virar de página. “Em 1876, Manoel Moreira morre e é Domingos Moreira Garcia quem mantém a casa até 1920, altura em que é doada aos empregados”.

“Há um homem esperto que vai comprando as cotas dos empregados. Chama pelo nome de José Rovisco Pais e acaba por ficar como dono da fábrica de cerveja Trindade”, adianta o historiador de arte.

Um início de século XX conturbado para a casa nascida nos idos oitocentistas. Após a morte de Rovisco Pais, a Trindade voga da Misericórdia para a Sociedade Central de Cervejas (Grupo Portugália). Nos anos de 1940 o edifício é recuperado e modernizado e a cervejaria abre ao público como sala de refeições. Mais tarde faz-se independente e, já no século XXI volta ao Grupo Portugália Restauração, onde se mantém.

Foquemo-nos nos anos de 1940 e nesta última sala denominada Folclore. “Quem a decora é o arquiteto Keil do Amaral e, a mulher, Maria Keil [temos como obra, por exemplo, painéis para o Metropolitano de Lisboa], estuda a azulejaria portuguesa. A Maria, aqui na Trindade, vai trazer para as paredes a grande arte corporizada numa matéria-prima que costuma adornar a calçada portuguesa, a pedra. As composições são modernas naturezas mortas cubistas”.

Anísio Franco conclui, uma vez mais reconstruindo em palavras aquilo que é o pulsar da memória. “Na época havia aqui um palco com espetáculos de folclore”. Na mesma toada revivalista pede-nos que nos sentemos nas cadeiras de madeira desenhadas também pelo arquiteto português. “Estão aqui desde 1940, são ergonómicas, embora com um toque rústico”. Sim, também nesta simples cadeira, tal como nos pastéis de bacalhau vive a história.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.