O uso constante de máscaras e luvas como medida preventiva nesta altura da ameaça pandémica da COVID-19 afeta a estabilidade da nossa barreira cutânea quer nas mãos quer no rosto.

Um estudo recente publicado no Jornal da Academia Americana de Dermatologia mostrou que 97% dos profissionais de saúde em Hubei, na China, desenvolveram problemas cutâneos em virtude do uso constante de material de proteção individual: pele seca, hipersensibilidade, agravamento do acne, comichão, descamação, vermelhidão e por vezes o surgimento de pequenas pápulas.  

Preservar o triângulo da juventude: saiba como
Preservar o triângulo da juventude: saiba como
Ver artigo

Os problemas da pele desencadeados pelo uso intensivo de máscaras estão relacionados com o efeito oclusivo que a máscara tem na pele – os folículos pilosos ficam bloqueados, o simples contacto da máscara na pele pode causar irritação pelo tipo de materiais constituintes e, por fim, a humidade da respiração, a saliva, causam uma inflamação/ irritação em redor da boca que pode estender-se ao queixo e sulcos entre o nariz e o lábio.

O que podemos fazer?

Medidas simples, mas eficazes, podem minimizar estes sintomas e ajudar-nos a ultrapassar esta fase mais difícil.

Como prevenir as marcas das cicatrizes? Os conselhos de uma cirurgiã plástica
Como prevenir as marcas das cicatrizes? Os conselhos de uma cirurgiã plástica
Ver artigo

1. Limpeza eficaz da pele - Manter a pele limpa e hidratada é essencial. Um creme hidratante barreira é por exemplo um que se usa no eritema da fralda: contém zinco, o que é excelente para a proteção da pele.

2. Não usar maquilhagem - Se vamos usar máscara o dia todo, não há motivo para colocar maquilhagem na região que vai estar tapada.

A maquilhagem pode causar irritação da pele e contribuir adicionalmente para a obstrução de poros. A região da face a descoberto pode ser adornada com maquilhagem.

3. Procurar aconselhamento médico - Perante uma dermatite perioral ou um agravamento do acne, o aconselhamento médico deve ser ponderado, para que uma terapêutica dirigida seja iniciada e adaptada a esta nova condição.

Os conselhos são da médica Ana Silva Guerra, especialista em Cirurgia Plástica, Reconstrutiva e Estética.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.