Por ser mais fina e delicada, a pele do contorno dos olhos revela sinais da falta de sono e da passagem do tempo muito antes do que qualquer outra zona do rosto.

Enquanto a face tem tecido adiposo subcutâneo e glândulas sebáceas, a área do contorno ocular não possui este suporte extra, sendo três vezes mais fina e, portanto, mais susceptível de perder firmeza e de ser alvo de rídulas e rugas.

Além disso, é abundantemente irrigada por vasos sanguíneos e linfáticos que, ao mínimo distúrbio circulatório, fica congestionada dando origem a papos e olheiras.
A maioria dos produtos faciais não está formulada para tratar esta área, sendo necessário recorrer a uma fórmula específica.

Esta aplica-se em pequenas porções, de manhã e à noite, após a limpeza do rosto. Espalhe o produto com o dedo anelar, em suaves toques, para activar a circulação, partindo do canto interior do olho até às têmporas.

Interrompa logo o uso de um cosmético para o contorno de olhos se este causar irritação e procure o médico se a irritação persistir, aconselha a U.S. Food and Drug Administration.

Texto: Vanda Oliveira

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.