As argilas são naturalmente cicatrizantes, regeneradoras e calmantes, sendo uma boa solução para todos os tipos de peles, mesmo as mais sensíveis, ou com problemas, como as peles acneicas, peles envelhecidas ou fotoenvelhecidas.

A geoterapia, ou seja, a terapia através de argilas e lamas, era uma prática comum desde há vários milhares de anos. Era usada para tratar doenças de pele, doenças dos órgãos internos, torcicolos, entorses, doenças nos animais e até em árvores. Os egípcios usavam-na mesmo em mumificação de cadáveres e os romanos em banhos terapêuticos.

Os povos antigos, através da prática empírica, aprenderam a conhecer as propriedades medicinais da argila e usavam-na como um elixir. Era usada sob a forma de cataplasma, banhos, compressas ou ingerida. A argila usada medicinalmente é extraída a grandes profundidades e seca ao sol.

Deve ser extraída de solos não contaminados, sem escoamentos de água e raízes vegetais. É conveniente comprá-la a fornecedores que nos garantam segurança ou de preferência comprá-la biológica, caso contrário devemos procurar saber de onde foi extraída, qual o país de origem, e exigir acompanhamento de análises de qualidade.

Composição da argila
A argila é composta por um conjunto de minerais como o cálcio, magnésio, sódio, potássio e oligoelementos como a silício, boro, alumínio, ferro, titânio, cobre, selénio, zinco, lítio, manganésio e níquel. As proporções destes elementos químicos variam conforme a origem da argila e são responsáveis pelas acções terapêuticas.

Em comum todas apresentam elevada percentagem de sílica e alumínio, o que explica as suas propriedades cicatrizantes, anti-inflamatórias, antitérmicas e absorventes. A sua riqueza em electrões livres dota as argilas de características muito reactivas e energéticas.

Acredita-se que as suas propriedades se devem às trocas energéticas, iónicas e radiónicas, pelos electrões livres existentes nos minerais da sua composição, que têm a capacidade de atrair, anular e/ou absorver moléculas tóxicas do organismo, quer interna quer externamente.

Para isso, basta aplicá-la em contacto com a pele. Este facto explica a longa reputação da argila como terra curativa desde o tempo dos babilónios e dos egípcios, que usavam a argila para o tratamento de todo o tipo de doenças.

Saiba mais na próxima página

Virtudes cosméticas
Dadas as suas virtudes terapêuticas, a argila passou a ser incluída em várias marcas cosméticas conceituadas. Quando usadas como ingrediente inorgânico cosmético são mais trituradas e sujeitas a processos de purificação para remoção de eventuais impurezas que possam conter. A actividade da argila começa quando esta é humedecida. Pode ser usada quente ou fria, consoante o efeito final desejado: actividade regeneradora ou calmante.

São excelentes opções para máscaras faciais ou corporais em concentrações que podem atingir os 40%, constituindo uma boa solução para todos os tipos de peles, mesmo as mais sensíveis, ou com problemas como as peles acneicas, e serem usadas com sucesso em peles envelhecidas ou fotoenvelhecidas.

Quando adicionada como ingrediente cosmético numa máscara de rosto funciona simultaneamente como esfoliante e máscara. As máscaras de argila servem para limpar, nutrir e revitalizar a pele através da eliminação de toxinas, estimulação da microcirculação, e pelas suas características queratolíticas. Também podem acalmar e hidratar, tudo depende do tipo de argila e dos ingredientes que lhe são adicionados. Podem ainda entrar em fórmulas de cremes, champôs e loções.

Propriedades comuns das argilas
• Activadoras do metabolismo, devido às trocas energéticas entre os electrões livres.
• Anti-inflamatórias, por reduzirem edemas e inflamações.
• Antioxidantes, por anularem radicais livres.
• Purificadoras da pele e do organismo.

Tipos de argilas
A prevalência de um determinado elemento mineral na argila determina a sua coloração final e o tipo de indicação. A natureza oferece-nos diversas colorações de argilas:

1. Argila Branca (Kaolin – em nomenclatura internacional)
É o tipo de argila mais suave. Rica em alumínio e silício. Possui um pH muito próximo da pele. A sua riqueza nestes dois componentes conferem-lhe elevadas propriedades cicatrizantes, reduz processos inflamatórios, é remineralizante e ajuda a clarear manchas. Aumenta a tonicidade dos tecidos.

Promove uma esfoliação suave. É a que menos absorve as toxinas da pele. Indicada para peles sensíveis e secas. No entanto, pode ser usada em peles oleosas diariamente, pois absorve a oleosidade em excesso sem desidratar.

2. Argila Rosa (Kaolin)
É uma argila delicada e fina. Composta por 50% de sílica e muito rica em alumina, e titânio sob a forma de dióxido de titânio. Tem propriedades cicatrizantes e suavizantes. Aumenta a circulação sanguínea, daí ser uma boa opção para o rosto: melhora a luminosidade natural da pele e restitui a vitalidade perdida.

No corpo, aumenta a circulação sanguínea, absorve toxinas, ajuda nos edemas e hidrata a pele. Assim, pode ser escolhida como um dos ingredientes em formulações para eliminação de gorduras localizadas e celulite. As suas características queratolíticas auxiliam a penetração de outros ingredientes adicionados à argila rosa.

Contém elementos firmantes e tónicos sendo útil no combate à flacidez do rosto e corpo. Indicada para peles desidratadas e delicadas, com rosáceas, peles cansadas e sem viço, peles maduras.

Saiba mais na próxima página

3. Argila Verde (montmorillonite)
É a argila mais divulgada e usada em Portugal. A sua coloração verde deve-se à presença de mais de 60% de sílica, óxido de potássio e óxido de ferro associado ao magnésio, cálcio, sódio, e alumina. Estes últimos encontram-se em percentagens mais baixas, mas que intervêm muito positivamente nas suas actividades terapêuticas finais.

Possui pH neutro para a pele. Apresenta a característica de ser um excelente absorvente de toxinas, tornando-a uma boa opção como ingrediente desintoxicante. Combate edemas, é analgésica, cicatrizante e anti-séptica. Por esta razão, é usada em pele oleosa para secar a secreção sebácea, reduzir a inflamação e controlar a hiperqueratização. Indicada para pele acneica e oleosa.

4. Argila Vermelha (Kaolin)
Este tipo de argila é muito rica em hematite, ou seja, uma molécula mineral composta por ferro (sob a forma de Fe2O3). É uma argila pouco densa. A hematite é uma molécula importante para a oxigenação das células, contribuindo para uma pele visivelmente mais equilibrada.

É um ingrediente indispensável em cuidados antienvelhecimento, pois contribui para intensificar a renovação celular das camadas superficiais da pele, aumentar a elasticidade da pele e a microcirculação. É energizante e suavizante. Promove uma microabrasão (peeling suave).

Para o corpo também é muito eficaz, visto exercer um efeito tensor nos tecidos flácidos, e dado ser carregada de energia é útil para eliminar o stress. É menos absorvente de toxinas que a argila verde, no entanto, a sua composição promove a queima de gorduras localizadas. Especialmente indicada para pele envelhecida e pode ser usada em peles sensíveis, com couperose e avermelhadas.

5. Argila Preta (iron oxides)
Apresenta uma elevada percentagem de magnetite (Fe3O4), ou seja, tal como a argila vermelha apresenta uma elevada percentagem de ferro, mas numa apresentação molecular diferente e por isso terá propriedades ligeiramente diferentes. É uma argila rara, mas com inúmeras virtudes e muito terapêutica. Pode ser usada para fins medicinais. É muito oxigenante e reactiva.

Tem acção anti-inflamatória, antiartrósica, absorvente, antitumoral e relaxante. Tem actividade estimulante, antitóxica, anti-séptica, redutora e adstringente. Deve ser aplicada no rosto e corpo em peles maduras para aumentar a circulação sanguínea, acelerar a renovação celular e estimular as fibras de colagénio.

É um ingrediente de excelência com acção rejuvenescedora do rosto e do corpo. Diminui o aspecto das rugas e as linhas de expressão. Pode também ser usada em situações de eczemas e fungos na pele. Usar em todos os tipos de pele.

6. Argila Cinza
Contém aproximadamente 60% de silício e de outros minerais, como o sódio, o magnésio e a sílica cristalina que dão a esta argila propriedades únicas. Tem pH mais alcalino. Excelente acção esfoliante. É hidratante e estimula a síntese das fibras do colagénio devido ao magnésio.

É eficaz em edemas e absorve toxinas. A elevada percentagem de silício contribui para aumentar a firmeza da pele. É indicada para cuidados de rejuvenescimento da pele. É muito remineralizante. É indicada para peles oleosas, envelhecidas, manchadas e desvitalizadas.

Saiba mais na próxima página

Como utilizar a argila
Um cuidado cosmético com argilas não deve ser de secagem rápida, pois deixa de ocorrer migração de componentes activos da argila para a pele. É necessário ter em conta algumas situações: a argila pode ser aplicada em todo o corpo, mas não se deve colocar muito espessa sobre os mamilos, lábios, boca e genitais, bem como sobre os olhos ou no interior dos ouvidos.

No entanto, todas estas zonas podem ser tratadas, mas através de lavagem com água de argila em proporções de 1:1. Deve ser evitada durante a gravidez e no período menstrual. Por ser muito reactiva e adsorvente nunca deve ser guardada em recipientes de plástico ou metal. A espessura da camada a aplicar pode variar conforme a intensidade e profundidade da acção que se pretende.

Pode durar entre poucos minutos a várias horas a actuar. No rosto e corpo é de evitar um cuidado de esfoliação prévia, pois a argila tem capacidades queratolíticas exercendo acção esfoliante.

Indicações em estética
• Varizes
• Manchas senis
• Pele oleosa
• Rugas e sinais de expressão
• Estrias
• Gorduras localizadas
• Má circulação
• Manchas
• Envelhecimento

Argilas e óleos essenciais
O ideal para qualquer tipo de cuidado cosmético é a junção de vários tipos de argilas com outras substâncias activas fortes. Para potenciar os efeitos terapêuticos das argilas podem ser adicionados princípios terapêuticos de plantas, flores, resinas e raízes sob a forma de óleos essenciais destilados, óleo-resinas ou óleos em absoluto.

O resultado é o sinergismo perfeito, uma combinação e potenciação dos resultados da energia da terra com a energia das plantas. Assim, as características atrás referidas dos minerais e oligoelementos podem ser potencializadas com a junção de moléculas químicas orgânicas que compõem estes óleos, como as cetonas, ésteres, terpenos, álcoois, aldeídos, etc. que, sendo moléculas muito pequenas e voláteis, penetram rapidamente na nossa pele, intensificando a acção das argilas.

Os resultados a que se destinam serão mais rápidos e duradouros. Tal como as argilas, os óleos essenciais possuem potentes características regeneradoras, revitalizantes, anti-sépticas, antioxidantes, entre outros benefícios que dependem do tipo de planta e do seu método de extracção.

Texto: Sandra Brandão, engenheira química
Bibliografia: International Journal of Cosmetic Science; Journal of Pharmaceutical Sciences
Fotografia: Solverde Spa & Wellness Center
Agradecimentos: Alma D´Flor

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.