Este método consiste em insensibilizar apenas a zona sobre a qual será realizada a intervenção. O paciente permanece consciente durante todo o processo.
Para insensibilizar a zona da intervenção, utilizam-se fármacos que provocam uma paralisia sensitiva na área de aplicação.

Evidentemente, não afecta a estrutura e função dos nervos e da pele do paciente.
Como o paciente fica consciente o tempo todo, pode colaborar durante a operação e a sua recuperação é muito mais rápida, permitindo que a intervenção seja feita em regime ambulatório, sem internamento hospitalar.

É a única anestesia que pode ser aplicada pelo próprio cirurgião. Contudo, a presença de um anestesiologista também é recomendada, caso seja necessário complementá-la com sedação, se o paciente estiver demasiado nervoso.

Possíveis inconvenientes:

  • Existe a possibilidade de não insensibilizar completamente a área a tratar, ou que a insensibilização não atinja toda a zona por diversos factores.

  • A utilização de uma concentração inadequada (por defeito) de anestésico local.

  • A própria anatomia do doente, que pode impedir que o anestésico se distribua de forma adequada.

  • Colocação errada da agulha quando se administra o fármaco ao paciente.

  • A sensibilidade de alguns pacientes que não conseguem ficar acordados enquanto a operação é efectuada. No entanto, este é um problema que deve ser detectado na consulta que antecede a intervenção, quando se pondera sobre o tipo de anestesia a ser utilizada.

  • Por mais vantagens que a anestesia local possa ter, se o paciente não colaborar, podem ocorrer situações incómodas e potencialmente perigosas, daí ser conveniente haver sempre um anestesiologista presente.

    Newsletter

    Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

    Notificações

    Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

    Na sua rede favorita

    Siga-nos na sua rede favorita.