"Eu quero que o Canadá me conceda asilo", escreveu Rahaf Mohammed Al Qunun na rede social Twitter, agora que deixou de ter acesso ao registo do visto de turista com o qual esperava entrar na Austrália, quando foi detida em Banguecoque no sábado.

O vice-diretor da organização não-governamental Human Rights Watch (HRW) na Ásia, Phil Robertson, disse à agência de notícias Efe que estão a aguardar a confirmação oficial do cancelamento do visto pelas autoridades australianas.
Robertson explicou que é comum os países cancelarem vistos quando descobrem que a pessoa que o solicitou tem a intenção de viver no país.

Em fuga de um casamento arranjado

Onde está Googoosha? Ninguém sabe do paradeiro da filha mais velha do antigo ditador do Uzbequistão
Onde está Googoosha? Ninguém sabe do paradeiro da filha mais velha do antigo ditador do Uzbequistão
Ver artigo

Hoje, o o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) advertiu que a análise do pedido da jovem saudita deverá demorar vários dias.

Rahaf Mohammed Al-Qunun tinha previsto viajar para a Austrália, onde pretendia pedir asilo depois de receber ameaças de morte da sua família por ter rejeitado um casamento arranjado e também a religião islâmica, mas foi detida pelas autoridades tailandesas numa escala em Banguecoque.

Fotografias tiradas no aeroporto de Banguecoque

"Estudar o seu caso e determinar os próximos passos pode levar vários dias", disse o representante do ACNUR na Tailândia, Giuseppe de Vicentiis, em comunicado.  

"Estamos muito gratos às autoridades tailandesas, que não a mandaram de volta para o seu país, contra sua vontade", acrescentou.

De férias no Kuwait com a sua família, Rahaf Mohammed al-Qunun, de 18 anos, fugiu e aterrou no aeroporto de Banguecoque este fim de semana. Detida assim que entrou em território tailandês, a saudita afirmou que o seu passaporte havia sido confiscado por oficiais sauditas e kuwaitianos, uma informação negada pela embaixada do seu país.

Mulheres da Arábia Saudita vão ser avisadas por SMS se o marido se divorciar
Mulheres da Arábia Saudita vão ser avisadas por SMS se o marido se divorciar
Ver artigo

As autoridades tailandesas queriam reenviá-la para a Arábia Saudita na manhã de segunda-feira, mas Rahaf Mohammed al-Qunun barricou-se no seu quarto de hotel do aeroporto, onde publicou mensagens desesperadas e vídeos na rede social Twitter, afirmando-se ameaçada de morte pela sua família caso regressasse a casa.

A adolescente ficou sob a proteção do (ACNUR) depois de deixar o aeroporto da capital tailandesa.
Segundo a HRW, a jovem enfrentou a família depois de renunciar ao islão e um matrimónio arranjado, decidindo fugir quando se encontrava no Kuwait com os seus familiares.

"Negava-se a usar o 'hijab' e havia esta tensão com a família (...) sobre assuntos religiosos. A sua família queria obrigá-la a um casamento arranjado e isto pareceu ser a gota de água", disse Sunai Pasuk, da HRW, na Tailândia.

Sunai Pasuk disse que a jovem chegou no sábado ao aeroporto tailandês num voo a partir do Kuwait, onde aproveitou o facto de as mulheres não necessitarem de autorização dos seus "guardiões masculinos" para viajar, como ocorre na Arábia Saudita.

Com agências

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.