A jovem saudita de 18 anos que fugiu da família e foi presa no domingo no aeroporto de Banguecoque "não será devolvida contra a sua vontade", garantiu o chefe da polícia de imigração tailandesa.

As imagens de um casamento gay que é um conto de fadas
As imagens de um casamento gay que é um conto de fadas
Ver artigo

Em conferência de imprensa, Surachate Hakparn informou ainda que a jovem "deixou o aeroporto com o ACNUR", que "definirá o seu caso em cinco dias".

Antes, Surachate tinha dito que, se as autoridades tailandesas decidissem não devolver a jovem à Arábia Saudita, teriam de justificar a decisão às autoridades sauditas para não afetar as relações bilaterais dos dois países.

Mais cedo hoje, uma advogada tailandesa apresentou sem sucesso, um recurso para impedir a extradição da saudita que afirma ser ameaçada no seu país. A advogada Nadthasiri Bergman, especializada em direitos humanos, interpôs recurso no tribunal criminal de Banguecoque. "Eles rejeitaram o recurso", disse a advogada à agência noticiosa francesa AFP, antes de se encontrar com a jovem saudita, de 18 anos, no aeroporto tailandês.

Algumas fotos recolhidas por jornalistas no aeroporto

A jovem detida, Rahaf Mohammed Al-Qunun, afirma ter sofrido violência física e psicológica por parte da sua família e teme pela sua vida se retornar ao seu país.

Barricada no hotel

A jovem deveria ter sido enviada hoje para a Arábia Saudita, via Kuwait, num avião que descolou de Banguecoque às 11:15, horário local (04:15 em Lisboa). No entanto, "o voo finalmente partiu sem a jovem, que se trancou num quarto de hotel no aeroporto", disse à AFP o representante da Human Rights Watch (HRW) para a Ásia, Phil Robertson.

Este caso assume uma dimensão particular após o recente assassínio em outubro do jornalista saudita Jamal Khashoggi no consulado da Arábia Saudita em Istambul, na Turquia.

Uma petição foi lançada na página eletrónica Change.org para defender a causa da jovem. "Eu apelo a todas as pessoas que se encontram na zona de trânsito em Banguecoque para protestarem contra a minha deportação", disse a jovem num vídeo divulgado na rede social Twitter. "Eu não vou sair do meu quarto até me encontrar com o ACNUR" (Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados), alertou a jovem.

Fotógrafa mostra em 22 fotos a "brutal e doce realidade de ser mãe"
Fotógrafa mostra em 22 fotos a "brutal e doce realidade de ser mãe"
Ver artigo

Mais cedo, a representação do ACNUR em Banguecoque indicou que está a "tentar obter acesso à jovem” para avaliar a sua necessidade de proteção internacional.

Presa pela família

Tahaf Mohammed Al-Qunun disse que foi presa por responsáveis sauditas e kuwaitianos na sua chegada ao aeroporto de Banguecoque, acrescentando que o seu passaporte foi confiscado à força. No entanto, a embaixada saudita negou que os seus representantes estivessem presentes dentro do terminal, acrescentando no Twitter que estão "em contacto constante com a família da jovem".

Rahaf Mohammed Al-Qunun acusa a sua família de tê-la trancado num quarto por seis meses apenas por ter cortado o cabelo. A imigração tailandesa, por sua vez, garante que a jovem tentava escapar de um casamento arranjado.

A jovem saudita teme ser presa se voltar para a Arábia Saudita e indicou que pretendia pedir asilo na Austrália, dispondo mesmo de um visto. A embaixada australiana ainda não respondeu às solicitações de informação da AFP.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Lifestyle diariamente no seu email.

Notificações

Os temas mais inspiradores e atuais estão nas notificações do SAPO Lifestyle.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.