Reconhecendo que a possibilidade de dissolução da Assembleia da República retira margem para a reivindicação, articulada com a FESAP, os sindicatos da FNE prometeram retomar a luta noutro momento.

“A alteração do quadro político levou a esta decisão, mas os problemas mantêm-se e o compromisso da FNE com a luta por medidas urgentes que tornem a carreira atrativa e valorizada, pelo combate ao envelhecimento e promoção do rejuvenescimento de educadores e professores, tal como o desafio da plena dotação das escolas com funcionários não docentes, dos diplomas de concursos, do crescimento do investimento em Educação, assim como pela recuperação do tempo de serviço dos docentes, não vai parar”, avisou a estrutura sindical, em comunicado.

A FNE aguarda por “uma melhor oportunidade política” para retomar o diálogo em torno destes temas e para “uma verdadeira negociação” sobre os “graves problemas” dos trabalhadores da Educação.

“A seu tempo, a FNE anunciará um conjunto de iniciativas de protesto e luta no sentido do reconhecimento dos profissionais da Educação e da determinação de condições que promovam a qualidade das ofertas educativas”, avançou a federação.

Um bocadinho de gossip por dia, nem sabe o bem que lhe fazia.

Subscreva a newsletter do SAPO Lifestyle.

Os temas mais inspiradores e atuais!

Ative as notificações do SAPO Lifestyle.

Não perca as últimas tendências!

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOlifestyle nas suas publicações.